IMPOSTO DE RENDA

Restituição de <br> R$ 25 milhões anima comércio do Estado

Restituição de <br> R$ 25 milhões anima comércio do Estado
08/08/2012 00:01 - DA REDAÇÃO


Nesta quarta-feira (08) a Receita Federal libera as consultas a mais um lote de restituição do Imposto de Renda que vai injetar R$ 25,1 milhões na economia do Estado. “Apesar do crédito só estar nas contas dos contribuintes dia 15 de agosto, a partir desta quarta-feira os que terão restituição já poderão contar com o valor para as compras do Dia dos Pais e isso deve favorecer as vendas”, acredita o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio MS), Edison Ferreira de Araújo.

O comércio varejista de Mato Grosso do Sul, segundo pesquisa realizada este ano, terá um movimento econômico de R$ 143 milhões referentes à comemoração do Dia dos Pais. O valor é 36% mais alto do registrado no ano passado, quando a pesquisa do Instituto de Pesquisa Fecomércio – em parceria com a Universidade Anhanguera-Uniderp e Fundação Manoel de Barros, detectou que seriam injetados cerca de R$ 105 milhões. A sondagem foi realizada em onze municípios do Estado (Aquidauana, Anastácio, Campo Grande, Corumbá, Dourados, Ladário, Naviraí, Paranaíba, Ponta Porã, São Gabriel do Oeste e Três Lagoas ), nos dias 17 a 20 de julho.

De acordo com mais de 60% dos entrevistados, a quantidade de presentes é de até dois, sendo homenageados os pais (63%), o esposo (16%), o sogro (10%) e o namorado (3%). O valor médio, de cada presente, no Estado, é de R$ 115,00, sendo que, em São Gabriel d´Oeste, os consumidores devem comprar presentes no valor – também médio – de R$ 167,00, seguido de R$ 136,00 em Corumbá e Ladário, R$ 122,00 em Naviraí, de R$ 111,00 em Campo Grande e de R$ 102,00 em Dourados.

Fonte: Fecomércio MS

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".