Sexta, 23 de Fevereiro de 2018

Renda agrícola deve recuar 8,4% neste ano, estima ministério

9 FEV 2009Por 20h:10
     

         

        A estimativa da renda agrícola para este ano aponta queda de 8,4% em relação a 2008, com prejuízos maiores para milho, soja e café. Em valores absolutos, a renda total deverá ser de R$ 149,6 bilhões, R$ 13,7 bilhões menor que no período anterior (R$ 163,4 bilhões).

         

        Segundo o coordenador-geral de planejamento estratégico do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), José Garcia Gasques, a projeção reflete o recuo da produção de grãos --com os problemas climáticos na região Sul e em outros Estados-- e aos preços mais baixos dos produtos agrícolas. "O efeito destes fatores está fazendo com que a renda do produtor rural sofra forte declínio neste ano", afirmou. Ainda de acordo com Gasques, a estimativa para 2009 está muito próxima ao da renda de 2003, que foi de R$ 148,5 bilhões. Entre os vinte produtos analisados, cinco apresentaram aumento de renda em relação ao ano passado. Os maiores incrementos foram no amendoim (31,3%), laranja (13,6%) e arroz (12,7%).

         

        O coordenador do Ministério da Agricultura explica que as baixas ocorridas no café, milho e soja se manifestam com elevada intensidade no resultado total, uma vez que essas três lavouras representam 45,6% do valor da produção agrícola. Milho e soja, isoladamente, respondem por 38,6%. Gasques informa que a menor renda de milho e soja se deve a problemas climáticos, e a do café, pelo que se chama de "bienalidade", quando um ano de boa produção é seguido de outro de menor produção, como é o caso da safra atual, conforme o ministério.

         

        Para agravar o cenário, os preços vigentes no período de cálculo da renda também são menores do que a média dos utilizados para se obter a renda do ano anterior.

        "Com base nesses dados, a produção menor e os preços mais baixos direcionam a agropecuária brasileira a uma perspectiva, até o momento, não muito animadora", pondera Gasques.

         

        (Com Informações da Folha Online)

Leia Também