BOM DIA MEGA NOTÍCIAS

Reinaldo Azambuja abre a rodada de entrevistas da Mega 94

Reinaldo Azambuja abre a rodada de entrevistas da Mega 94
08/08/2012 17:00 - ROBERTO COSTA


O sorteio que definiu a ordem de participação dos candidatos a prefeito de Campo Grande no programa Bom Dia Mega Notícias – Mega 94 FM, realizada às 15h15min esta quarta-feira (8) na sala do diretor-presidente da emissora, Marcelo Rodrigues, contou com a participação de seis dos sete postulantes ao cargo de prefeito.

A iniciativa da Mega 94 tem por finalidade ajudar o eleitor (a) a decidir pelo melhor antes de apertar a tecla verde/confirma da urna eletrônica no dia 7 de outubro. A entrevista no Bom Dia Mega Notícias terá duração de 20 minutos – das 7h20min às 7h40min.

Com exceção do PMDB, o PSDB (Edir Viégas), PT (Ido Michel), PV (Juliana Belarmino), PP (Ana Rita), PSOL (Márcio do PROCON) e PSTU (Suél Ferranti) acompanharam e concordaram com a forma como o sorteio foi realizado e o tema livre para condução da entrevista, com a participação do ouvinte.

O deputado federal e candidato a prefeito pelo PSDB – Partido da Social Democracia Brasileira, Reinaldo Azambuja (45), abre a rodada de entrevistas no dia 20 de agosto (segunda-feira). A entrevista está confirmada para as 7h20min e encerramento às 7h40min.

A escala

Vander Loubet (PT), dia 21 (terça-feira), Marcelo Bluma (PV), dia 22 (quarta-feira), Alcides Bernal (PP), dia 23 (quinta-feira), Sidnei Melo (PSOL), dia 24 (sexta-feira), Edson Giroto (PMDB), dia 27 (segunda-feira) e Suél Ferranti (PSTU), dia 28 (terça-feira), completam a rodada de pesquisas 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".