Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ECONOMIA

Região de Dourados já colheu mais de 50% da soja deste ano

Região de Dourados já colheu mais de 50% da soja deste ano
09/03/2010 08:19 -


A colheita da soja já passou de 50% da área na região de Dourados porque o tempo continua seco e quente. Os agricultores estão aproveitando o clima favorável das últimas duas semanas para acelerar a retirada do grão que sai seco das lavouras, indo para os armazéns apenas para fazer a pré-limpeza. Na Grande Dourados a soja passou de um milhão de hectares na safra 2009/2010 e a produtividade continua se sustentando acima da média (entre 48 e 50 sacas), alcançando 55 sacas na maioria das propriedades. Praticamente todos os produtores terão áreas colhidas bem acima do tradicional. As reclamações cont inuam com relação ao preço – entre R$ 28 e R$ 29. Mas os especialistas em mercado lembram que a queda é natural com oferta da soja em todas as regiões produtoras do País. No Paraná, segundo citou o corretor de grãos, Amarildo Palma, os armazéns privados, das cooperativas e das indústrias estão lotados, o que acaba forçando queda na soja por falta de comprador, neste momento. Em Fátima do Sul, um incêndio, favorecido pela estiagem e o calor, queimou 2,4 hectares de palhada de soja que já havia sido colhida, depois de um princípio de incêndio na colhedora. Isso ocorre por superaquecimento do equipamento durante a colheita. O fogo não se estendeu a lavoura próxima porque os bombeiros atenderam rapidamente ao chamado. Esse caso aconteceu na tarde de domingo na Chácara Santo Expedito, na Linha do Barreirão - 2ª Zona. O operador da colhedora ao perceber que a máquina estava queimando, levou-a para fora da área colhida, mas ao escapar espalhou fogo na palhada sendo queimado em torno de um alqueire. Ventava fraco, evitando que as chamas se espalhassem pela soja a ser colhida. (CF)

Felpuda


Malfeitos que teriam sido praticados em tempos não tão remotos podem ser a pedra no caminho de pré-candidatura que está sendo costurada. As conversas ainda estão nas “ondas da rádio-peão”, mas, com a proximidade da campanha eleitoral, há quem diga que isso se tornará uma tremenda dor de cabeça para quem vai enfrentar as urnas. Pior:  o dito não seria culpado direto, mas sim a sua...  Bem, deixa rolar para ver onde vai parar.