Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PESQUISA

Região Centro-Oeste é a que mais confia na polícia

Região Centro-Oeste é a que mais confia na polícia
30/03/2011 19:19 - Idest


A pesquisa do Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) sobre Segurança Pública revela que a região Centro-Oeste é a que mais confia nos policiais, sendo que para cada mil habitantes, 404 confiam na polícia. O Centro-Oeste ainda apresenta a maior média de policiais por habitante entre todas as regiões brasileiras.

No entanto, a taxa de criminalidade violenta é alta, apresentando uma taxa de homicídios dolosos acima da média nacional - 254 por 100 mil habitantes. Já a sensação de segurança está dentro da média nacional, com 75% dos entrevistados terem afirmado sentir "muito medo".

O estudo é realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e foi divulgado nesta manhã. Ele mostra como os cidadãos percebem a atuação do poder público em relação ao problema da criminalidade e da violência, como também dados sobre a sensação de segurança e a taxa de homicídios dolosos nas regiões.

As informações são apresentadas por regiões brasileiras e não revela dados específicos de cada Estado do país.

O SIPS ainda registrou a opinião dos cidadãos em relação aos atendimentos prestados, de uma forma geral, pelas polícias. Os entrevistados responderam dentro de uma escala que vai de “péssimo” a “ótimo” como foi o atendimento que receberam em alguma situação de emergência.

Os entrevistados da região Centro-Oeste apresentaram o maior índice de avaliação como “ótimo”, com 10,8%. Ao todo, a avaliação dos atendimentos policiais na região está um pouco abaixo da média do país, com cerca de 400 usuários que declaram aprovar o serviço prestado a cada mil que realmente precisaram entrar em contato com a polícia ao menos uma vez.

O Centro-Oeste ainda aparece com o segundo maior gasto per capita com segurança pública do país - R$ 229,36

Felpuda


Dez vereadores da Capital mudaram de partido na tentativa de encarar a reeleição ou, dependendo do caso, disputar a vaga de vice-prefeito. Legendas foram “engordadas”, outras entraram em estado de inanição e outras ainda simplesmente sumiram do mapa. Que ninguém ouse perguntar a quem “trocou de camisa” qual a linha programática dos partidos em que agora estão filiados. Seria para eles, digamos, questão de pouca importância. Política tem dessas coisas...