Redução de pena do goleiro Bruno pode ser vetada na Justiça

Redução de pena do goleiro Bruno pode ser vetada na Justiça
29/08/2012 20:00 - g1


A pena do goleiro Bruno Fernandes pelo sequestro da modelo Eliza Samudio pode voltar a ser de quatro anos e seis meses, conforme estava prevista anteriormente. Apesar de, no último dia 14, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) tê-la reduzido para um ano e meio, o subprocurador-geral da Justiça, Antonio José Moreira, entrou com um recurso pedindo o cancelamento desta redução, devido à covardia e à crueldade do crime pelo qual ele está sendo condenado.

"Há que se deixar registrado que a fixação da pena no mínimo legal em crimes de tamanha gravidade, praticados em concurso de pessoas contra mulher grávida, os quais afrontam direitos humanos, relacionados à livre locomoção e disposição do corpo, além de importar clara violação de dispositivos legais, termina por servir de estímulo ao incremento da violência, em especial àquela histórica e covardemente direcionada ao sexo feminino", relatou o subprocurador.

Antonio José Moreira se baseou em três artigos do Código de Processo Penal: o artigo 62, inciso I, que estabelece que a pena deve ser agravada em relação ao réu que promove ou organiza o crime; o artigo 59, onde o juiz estabelecerá, conforme seja necessário o suficiente para reprovação e prevenção do crime; artigo 61, que institui que as circunstâncias sempre agravam a pena.

Acusado de sequestro e cárcere privado da modelo Eliza Samudio, Bruno foi preso em 2010 e condenado em primeira instância a quatro anos e seis meses. Como o ex-goleiro do Flamengo já está há mais tempo preso, a redução feita pela Câmara da 7ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça (TJ) do Rio fez com que a pena de Bruno se extinguisse. Porém, o atleta ainda responde pelo desaparecimento de Eliza Samudio em processo que corre na Justiça de Minas Gerais e, com isso, continuará preso.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".