Campo Grande - MS, sábado, 18 de agosto de 2018

GUERRA

Rebeldes recuam e Trípoli sofre bombardeio

30 MAR 2011Por ESTADÃO00h:00

Depois de receber reforços de soldados, tanques e baterias de foguetes Grad de várias cidades do oeste da Líbia, as tropas leais ao ditador Muamar Kadafi retomaram ontem Bin Jawad, cidade de 20 mil habitantes, 422 km a oeste de Benghazi, o principal reduto rebelde.

As forças do governo também retomaram a pequena cidade de Nawfaliyah, 120 km a leste de Sirt, e os rebeldes disseram que foram forçados a recuar cerca de 25 km de Bin Jawad, onde os dois lados trocaram tiros durante horas, deixando os prédios da cidade repletos de buracos de bala.

Sem que as forças da coalizão tentassem conter seus movimentos nas estradas pavimentadas e nas trilhas do deserto, as kataeb (brigadas de elite de Kadafi) avançavam ontem contra o complexo petrolífero de Ras Lanuf, 50 km mais ao leste, com um movimento de pinça pelos flancos oeste e sul.

Depois de ter avançado 270 km em 24 horas durante o fim de semana, os rebeldes recuaram 110 km entre segunda-feira e ontem. O principal motivo da superioridade das forças de Kadafi foi a barragem de foguetes Grad, que têm alcance de até 40 km, lançados quase continuamente contra as posições dos rebeldes, que recuaram de forma desordenada em suas caminhonetes pela estrada entre o mar e o deserto.

A derrota demonstrou que, sem o apoio dos bombardeios da coalizão, os rebeldes, embora em maior número, não são páreo para as brigadas de Kadafi, mais bem armadas, treinadas e organizadas. Segundo um rebelde, se as forças de Kadafi continuarem atacando como ontem, eles precisarão de mais ataques aéreos da coalizão. "Com os bombardeios internacionais, chegaríamos a Sirt amanhã à tarde", disse o rebelde.

As forças da coalizão bombardearam Trípoli de dia pela primeira vez . Pelo menos três grandes explosões foram ouvidas ontem na capital. Enquanto isso, em Misrata, 203 km a leste de Trípoli, moradores disseram que as forças de Kadafi estavam promovendo uma "carnificina".

Assim como em Bin Jawad, a coalizão não tentou impedir tanques e baterias de foguetes de bombardear Misrata, a única cidade do território oeste controlada - ainda que parcialmente - pelos rebeldes. De acordo com um morador ouvido pela CNN, aviões da coalizão sobrevoaram a cidade, mas não atacaram os tanques de Kadafi.

Em mais uma de suas operações de relações públicas com efeito contrário ao desejado, o governo líbio organizou uma visita a Misrata para jornalistas estrangeiros com base em Trípoli, onde têm seus movimentos rigorosamente controlados. A ideia era mostrar que o governo controla a cidade, a terceira maior do país, com 450 mil habitantes. Mas os jornalistas perceberam que não era possível entrar no centro, controlado pelos combatentes oposicionistas, e acabaram sendo retirados às pressas de Misrata, aparentemente por causa da ação dos rebeldes na cidade.

Leia Também