Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

LIGA DOS CAMPEÕES

Real Madrid e Barcelona fazem super clássico sem favoritos

Real Madrid e Barcelona fazem super clássico sem favoritos
27/04/2011 00:00 -


A vitória do Real Madrid sobre o Barcelona na decisão da Copa do Rei parece ter mudado o cenário para o clássico entre as equipes pela semifinal da Liga dos Campeões. O time catalão era tido como amplo favorito, já que vinha encantando o mundo com seu futebol e havia goleado o Real por 5 a 0 no Campeonato Espanhol. Agora fala-se sobre os madrilenhos terem descoberto como parar o rival.

“Sou o mesmo técnico, exatamente o mesmo, que perdeu por 5 a 0 para o Barcelona há seis meses. Eu não tenho uma poção mágica. Não somos favoritos. É a semifinal da Liga dos Campeões da Europa entre dois times que se conhecem, dois times com tradição, com sucesso e que já ganharam grandes jogos antes. Não existe favoritismo”, afirmou o técnico José Mourinho nesta terça-feira, véspera no duelo que os dois times farão nesta quarta-feira, às 15h45 (de Brasília), em Madri.

No ano passado, o treinador conseguiu eliminar o então favorito Barcelona nas semifinais da competição europeia, sob o comando da Inter de Milão, e quer se aproveitar do bom momento físico de sua equipe para repetir o feito. No último sábado, o Real Madrid derrotou o Valencia, por 6 a 3, com um time praticamente reserva, enquanto os catalães precisaram de alguns titulares para bater o Osasuna por 2 a 0.

Apesar da boa fase, Mourinho afirmou que “cada jogo tem sua própria história” e que seus jogadores precisarão chegar ao limite de seus esforços para chegar à decisão da Liga dos Campeões.

“Temos que jogar o máximo e sem que nos influam as últimas partidas, porque esta é diferente. É uma partida de outro mundo, com emoção de outro mundo”, declarou.

O primeiro jogo acontece no Santiago Bernabéu, enquanto a volta ocorre no Camp Nou, casa do Barcelona, na próxima terça-feira.

Felpuda


Em uma das eleições em MS, candidato já oficializado na convenção corria o trecho para conquistar os eleitores. Mal sabia, porém, que time do seu partido e de aliados estava tramando sua derrubada para emplacar substituto que teria mais votos. Por muito pouco, o dito-cujo não foi guilhotinado, conseguindo salvar o pescoço. Agora tudo indica que o mesmo processo estaria em andamento e seria mais fácil, pois a “vítima” desta vez ainda é só pré-candidato. Dizem que a “turma da trairagem” tem know-now no assunto.