ESPORTES

Real joga pressionado e Milan tenta milagre na Liga

Real joga pressionado e Milan tenta milagre na Liga
10/03/2010 10:41 -


A rodada de volta das oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa prossegue hoje com a realização de dois confrontos, às 15h45min (MS). As partidas prometem tirar o fôlego dos torcedores, pois o Real Madrid entra em campo precisando desesperadamente de um triunfo, enquanto o Milan joga sonhando com um verdadeiro milagre. Atuando no Estádio Santiago Bernabéu, em Madrid, o Real recebe o Lyon, adversário que superou os espanhóis na ida por 1 a 0, na França. Neste cenário, com o gol fora de casa valendo para critério de desempate, os merengues precisam devolver o 1 a 0 para forçar a disputa de pênaltis, ou ganhar por dois ou mais gols de vantagem para seguir diretamente para as quartas de final. Por isso mesmo que a tática do Real Madrid seja atuar de maneira tranquila, sem nenhuma pressão extra, já que o confronto tem tudo para ser tenso. No Estádio Old Trafford, em Manchester, na Inglaterra, o Milan visita o Manchester United necessitando de um verdadeiro milagre para se classificar. Isso porque os ingleses ganharam na Itália por 3 a 2 e podem até mesmo perder por um gol de diferença, desde que seja por 1 a 0 ou 2 a 1, que seguem com a vaga. A grandeza das duas equipes realmente faz o Manchester United também não contar vantagem antes do tempo. O respeito ao Milan é tanto que o técnico Alex Ferguson chega ao ponto de insinuar que os Diabos Vermelhos atuarão de maneira defensiva no começo do confronto, esperando para ver qual será o posicionamento dos italianos.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".