Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

quarta, 20 de fevereiro de 2019 - 20h39min

capital

Reajuste de planos de saúde supera o índice de inflação acumulada

13 MAR 11 - 00h:02OSVALDO JÚNIOR

Cuidar da saúde custa caro: nos últimos seis anos, os preços de produtos e serviços da área de saúde acumularam alta de 39,26% em Campo Grande, quase sete pontos percentuais acima da inflação acumulada no período, que foi de 32,57%. Conforme os dados do Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG), os maiores vilões inflacionários são os planos de assistência médica, que em fevereiro registraram variação de 5,88%, e os serviços médicos, sobretudo os de pediatria, odontologia e ortopedia.

De 2004 a fevereiro deste ano, a alta dos preços na saúde tem sido maior que a inflação medida pelo IPC/CG, excetuando-se os anos de 2006 e 2008. A maior diferença foi registrada em 2009, quando a inflação acumulada no grupo da saúde foi de 7,52%, enquanto a alta geral dos preços foi de 3,29%. No mês passado, os serviços e produtos na saúde apresentaram valoração de 2,25%, muito acima da inflação geral da Capital, de 0,64%.

Leia mais no jornal Correio do Estado

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Pescadores propõem redução gradativa da cota até metade da atual
AUDIÊNCIA PÚBLICA

Pescadores propõem redução gradativa da cota para pesca

CLASSIFICAÇÃO DE RISCO

Moody's diz que reforma é abrangente e, se aprovada, dará suporte a nota de crédito do país

O Brasil não tem selo de bom pagador pela Moody's.
MS deve receber 34 novos profissinais pelo Mais Médicos em marco
MAIS MÉDICOS

MS deve receber 34 novos médicos em março

Empregadores devem entregar declaração até 5 de abril
RAIS 2018

Empregadores devem entregar declaração até 5 de abril

Mais Lidas