Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ponte do rio paraguai

Reajuste de pedágio já está valendo

3 JAN 14 - 15h:47DIÁRIO ONLINE

Desde o dia 1º está valendo o reajuste nos valores do pedágio para cruzar a ponte sobre o rio Paraguai na BR-262, no Porto Morrinho, em Corumbá. A tabela com os novos valores e a resolução da Secretaria de Estado de Obras Públicas e de Transportes (Seop) foram publicadas no dia 27 de dezembro, no Diário Oficial do Estado.

O pedágio é cobrado dos condutores ou proprietários de quaisquer espécies de veículos automotores, que utilizarem a ponte de concreto como meio de ultrapassagem do rio Paraguai. Ficam isentos da cobrança do pedágio os condutores de veículos automotores de propriedade da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, inclusive de suas autarquias e fundações, bem como dos veículos pertencentes aos Estados estrangeiros e destinados às suas representações diplomáticas.

Conforme fixa a resolução SEOP/ nº 033 de 13 de dezembro, a partir do dia 1º, o valor do pedágio para motocicletas passa a R$ 4,90. Veículos de passeio e utilitários até 2,5 toneladas pagam R$ 8,10. Para veículos de passeio ou utilitários com reboques de eixo simples ou em tandem, o valor é de R$ 12,20. Veículos de passeio ou utilitários com reboques de eixo duplo isolados pagam R$ 16,20 de pedágio.

Veículos comerciais (ônibus, micro-ônibus, caminhões e outras combinações de veículos), de acordo com o número de eixos, pagam entre R$ 16,20 a R$ 72,90. O último reajuste nos valores tinha entrado em vigor em 1º de janeiro de 2013.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Agressores de mulheres não poderão tirar carteira de advogado, diz OAB

STJ mantém efeitos de liminar que revogou prisão de Puccinelli
MÉRITO

STJ mantém efeitos de liminar que revogou prisão de André

BRASIL

Oposição fecha questão contra Previdência e quer atrasar análise na CCJ

BRASIL

Abertura comercial do país deve ser lenta, gradual e segura, diz Mourão

Mais Lidas