Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

SABENDO DRIBLAR

Rafael Moura faz dois e Fluminense bate América

9 MAR 2011Por g120h:46

Não era a Libertadores, a competição prioritária, nem o América exato, o do México, adversário do duelo decisivo no dia 23 de março. Mas o Fluminense soube driblar o América carioca na noite desta quarta-feira, no Engenhão. Venceu por 3 a 1 e chegou ao segundo triunfo em dois jogos na Taça Rio.

Os pouco mais de 3 mil tricolores que pagaram ingressos tiveram boas notícias. A melhor delas a atuação convincente de Conca. O jogador operou o joelho esquerdo no início do ano e desde que retornou teve desempenho insatisfatório. Contra o Resende, foi poupado e não ficou nem sequer no banco. Desta vez foi diferente. Ele abriu o placar e deu bela assistência para um dos dois gols de Rafael Moura. O He-Man chegou a sete desde que retornou ao clube no início deste ano e está a um de Fred na artilharia do Tricolor no ano. Para manter o embalo - e a liderança do Grupo B ao lado do Botafogo - o time tem pela frente o rival Flamengo, campeão da Taça Guanabara, no próximo domingo.

Por outro lado, depois de um primeiro turno para ser esquecido com direito a goleada por 9 a 0 para o Vasco e apenas uma vitória em sete jogos, o América mostrou evolução após a profunda reformulação na virada de turno. O time teve bons momentos no primeiro tempo e se mantém com três pontos no Grupo A.

América até começa bem, mas Flu marca

O árbitro mal iniciou o jogo e Ricardo Berna teve de aquecer. Logo no primeiro minuto, Ruy chutou de fora da área e o goleiro espalmou. O Fluminense teve os três primeiros ataques interrompidos por impedimentos. O primeiro, de Araújo, bastante duvidoso.

O América manteve a postura de boas jogadas pelas pontas e eficiência dos meias. Bem diferente do time que perdeu por 9 a 0 para o Vasco na última rodada da Taça Guanabara. Em uma das tentativas, Diguinho conduziu, entrou na área e chutou forte. A bola bateu no travessão e quicou na linha.

A pequena torcida tricolor se irritou com a ineficiência ofensiva. O primeiro lance de perigo foi de Conca, aos 21. Ele tentou cruzar, mas a bola foi direto para o gol e Paulo Vanzeler espalmou.

Aos poucos, o Flu passou a dominar a partida. Foi o bastante para abrir o placar, aos 32. Carlinhos cobrou lateral na área, Rafael Moura recebeu, fez ótima proteção com o corpo e cruzou rasteiro para Conca empurrar para o gol vazio e marcar o primeiro gol desde a operação no joelho.

Berna se adianta, pega pênalti e Rafael Moura decide

Debaixo de chuva fina, a partida se arrastou até o fim do primeiro tempo. No início da etapa final, o América teve a chance de empatar. Michel entrou na área e se enroscou nas pernas de Leandro Euzébio. O árbitro João Arruda enxergou pênalti. O lance que começou errado terminou de forma ridícula. Na cobrança, Diguinho rebolou, caminhou e chutou fraco no canto esquerdo. Ricardo Berna se adiantou quase na linha da pequena área, pulou e defendeu.

Terminava ali a chance de o América surpreender. Pouco depois, aos oito, Araújo desviou cruzamento na primeira trave e Rafael Moura completou de cabeça para fazer o segundo gol tricolor na noite. Na comemoração, ele tentou convencer sem sucesso Araújo a dançar brake, como fizera no treinamento na véspera, nas Laranjeiras.

A jogada do terceiro gol começou com Emerson, passou por Conca e foi concluída novamente por Rafael Moura. O atacante apareceu livre na segunda trave e marcou o quinto gol em cinco jogos no Campeonato Carioca.

Aos 36, a torcida do Fluminense exaltava a vitória aos gritos reverenciando a volta do time campeão brasileiro. Mas o momento exige cautela. Tanto que no exato momento que os gritos ecoavam no Engenhão, o América entrou tabelando na defesa e tricolor e descontou com Felipe Assis. Em um dos últimos lances, Bruno Reis chutou no ângulo e Berna fez ótima defesa.

Leia Também