CAMPO GRANDE

Radiologistas suspendem exames pelo instituto da prefeitura e da UFMS

Radiologistas suspendem exames pelo instituto da prefeitura e da UFMS
30/07/2012 14:50 - DA REDAÇÃO


A Sociedade Sul-mato-grossense de Radiologia e Imaginologia (SSRI), determinou a paralisação, a partir desta segunda-feira (30), do atendimento de todos exames de radiologia e diagnóstico por imagem (RX, Ultrassonografia, Tomografia Computadorizada, Ressonância Magnética, entre outros), pelo Instituto Municipal de Previdência de Campo Grande – IMPCG e pelo Programa de Assistência a Saúde da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – PAS UFMS.

A paralisação mobiliza 73 médicos e 20 clínicas de Campo Grande. Os serviços suspensos a partir de hoje devem afetar milhares de pacientes. Não será possível realizar exames de imagem através desses dois convênios até o dia 30 de janeiro de 2013.

Segundo a assessoria da Sociedade, depois de "exaustivas negociações, sempre frustradas, a medida foi a última instância que os médicos radiologistas encontraram para reivindicar reajuste de remuneração de acordo com a Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos – CBHPM. A categoria está reivindicando a aplicação da mesma, hoje em sua sexta edição, já defasada, pois data de 2010".

Os casos de urgência e emergência continuarão sendo atendidos. Os usuários dos planos afetados pela paralisação só poderão ter acesso aos serviços de radiologia e imagem antes dos seis meses através dessas instituições, se elas se comprometam em cumprir as reivindicações e atualizar os valores.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".