Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

Radiação de usina chega aos EUA

18 MAR 2011Por R721h:52

Uma estação de pesquisa de radiação localizada em Sacramento, no Estado americano da Califórnia, detectou uma minúscula quantidade de material radioativo procedente da usina nuclear japonesa de Fukushima. A informação foi divulgada nesta sexta-feira (18) pela rede de TV CNN.

A rede de televisão citou o secretário-executivo do CTBTO (Tratado para a Proibição Completa dos Testes Nucleares), Tibor Tóth, que não informou as quantidades exatas de radiação, mas descartou que pudessem ser consideradas prejudiciais para a saúde humana.

A estação situada em Sacramento, que pertence à rede de monitores da CTBTO, detectou pequenas proporções de radionuclídeos - substâncias que emitem radiação.

No entanto, a descoberta não deve ser motivo de alerta, disse à CNN o funcionário da AIEA (agência nuclear da ONU), Graham Andrews.

- Por enquanto não há nenhuma preocupação no Japão ou em nenhum outro lugar quanto à saúde humana.

População corre às farmácias atrás de iodo

A descoberta coincide com o prognóstico emitido nesta quinta-feira (17) por meteorologistas e profissionais de saúde dos Estados Unidos, que previram que os primeiros isótopos radioativos provenientes da usina japonesa poderiam chegar nesta sexta-feira à costa oeste do país, embora em dose inofensiva para a saúde.

Segundo indicaram, os resíduos tóxicos liberados no ar em Fukushima estavam terminando de percorrer os 8.000 km de distância que separam o Japão do território continental americano, levados pelas correntes das altas camadas da atmosfera.

O anúncio resultou numa grande procura por pílulas de iodeto de potássio em muitas lojas da Califórnia. A substância é usada para prevenir a absorção de iodo radioativo, reduzindo a ameaça de câncer de tireoide por causa da radioatividade.

A Comissão Reguladora Nuclear americana prevê que a radioatividade que chegar à costa americana não terá consequências para a saúde, embora reconheça que os níveis de radiação subirão com a passagem dos dias devido à piora da situação em Fukushima.

Leia Também