Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CONFLITO

rã negociará fim da guerra 'inevitavelmente', diz chanceler russo

rã negociará fim da guerra 'inevitavelmente', diz chanceler russo
16/01/2014 23:00 - FOLHA PRESS


O chanceler russo, Serguei Lavrov, pressionou hoje para que o Irã faça parte dos diálogos para a paz na Síria, durante visita a Moscou do ministro das Relações Exteriores do país, Javad Zarif.

Mais tarde, o chanceler do regime sírio, Walid al-Moallem, também se juntou à reunião. Rússia e Síria são dois dos maiores aliados do ditador Bashar al-Assad.

Lavrov afirmou que o Irã "deve e inevitavelmente se tornará parte dos complexos esforços para resolver o problema sírio". Ele terá uma reunião em separado com Moallem na sexta.
Moscou já havia declarado sua vontade de permitir a participação do Irã na conferência sobre a guerra civil síria que começa na próxima quarta, na cidade suíça de Montreux.

Os EUA e outras potências ocidentais, adversários do regime de Assad, se opõem ao envolvimento de Teerã no evento.

Na quarta passada, o chanceler do Irã já havia sido recebido por Assad, num encontro destinado a reiterar o apoio iraniano ao regime de Damasco e forçar uma discussão sobre sua entrada na conferência.

O regime sírio mandou uma carta à ONU confirmando sua participação na rodada, mas não foram informadas sob quais condições ela foi acordada.

As perspectivas de um acordo efetivo que saia da reunião porém, parecem pequenas, já que nenhuma das partes parece disposta a negociação. Enquanto o Ocidente e a oposição síria exigem eleições livres sem a participação de Assad, o regime e seus aliados são contra a retirada do ditador do cenário político.
 

Felpuda


Partido está aos poucos montando a que vem sendo chamada de “chapa do quartel”, pois os pré-candidatos são oriundos da caserna. Há quem diga que os dirigentes da legenda ainda estão querendo pegar carona no “fenômeno Bolsonaro”, esquecendo-se que o presidente, embora vindo da área militar, está na política há 30 anos e o seu programa de governo agradou 57,7 milhões de eleitores. Dizem que tchurminha será obrigada a adicionar mais ingredientes no currículo, senão...