domingo, 15 de julho de 2018

Quenianos dominaram novamente a disputa da São Silvestre

1 JAN 2010Por 10h:25
     Da redação
        Já está virando rotina. No último dia do ano, as ruas de São Paulo se rendem à habilidade, técnica e velocidade dos atletas quenianos. Nesta quinta-feira, eles apareceram novamente, sorridentes e esbanjando enorme simpatia, no ponto mais alto do pódio da Corrida Internacional de São Silvestre. Pasalia Kipkoech Chepkorir dominou toda a prova feminina e James Kipsang Kwambai arrancou, a partir do quilômetro oito, para conquistar o bicampeonato entre os homens na 85ª edição da mais tradicional corrida de rua do Brasil.
         Na prova feminina, as brasileiras Marily dos Santos, em terceiro lugar, Maria Zeferina Baldaia, em quarto, e Cruz Nonata da Silva, em quinto, tiveram motivos de sobra para comemorar, pois conseguiram subir ao pódio - ficaram atrás também da sérvia Olivera Jevtic. Já no masculino, o melhor representante do Brasil foi Clodoaldo Gomes da Silva, apenas o oitavo colocado.
         Com os resultados desta quinta-feira, o Quênia ampliou sua vantagem na liderança histórica da prova masculina da São Silvestre, agora com 12 títulos, contra 10 do Brasil. No feminino, as quenianas também atingiram uma marca importante, igualando as portuguesas como as maiores vencedoras da prova: foram campeãs sete vezes - as brasileiras já ganharam em cinco oportunidades.
         Foi uma tarde quente e ensolarada em São Paulo - com temperatura acima dos 30ºC durante quase toda a prova. A previsão de chuva não se concretizou. E os quenianos deram um passeio pelas ruas da cidade. Martin Sulle, da Tanzânia, chegou a liderar a primeira parte da corrida, mas James Kipsang Kwambai assumiu a ponta no oitavo quilômetro e não foi mais ameaçado.
         Assim, James Kipsang Kwambai conquistou o título da São Silvestre pelo segundo ano seguido - foi também a terceira vitória consecutiva do Quênia. Dessa vez, ele completou o percurso de 15 quilômetros em 44min40, dois segundos mais rápido do que fez no ano anterior. Logo atrás, chegaram mais dois quenianos: Elias Kemboi foi o segundo colocado e Robert Cheruiyot, que já foi campeão da prova três vezes, terminou em terceiro lugar.
         "Peço desculpas pelo que disse na véspera, de que não estava tão bem. E tenho de comemorar muito essa conquista, pois quando tentei uma disparada, no quilômetro nove, já estava sentindo bastante a prova", afirmou James Kipsang Kwambai, garantindo que a conquista poderia ter vindo com mais facilidade. "Não posso dizer o quanto, mas não fiz o meu melhor apesar da vitória."
         Os colombianos Diego Colorado e Willian Naranjo completaram o pódio, conseguindo a quarta e a quinta colocações, respectivamente. Assim, os brasileiros decepcionaram mais uma vez. O melhor foi Clodoaldo Gomes da Silva, que comemorou o oitavo lugar. "Queria pódio, mas foi um excelente resultado para mim. Eu saí tranquilo, dividi bem os quilômetros e forcei no final. O pódio fica para a próxima oportunidade", disse ele.
         Clodoaldo Gomes da Silva também aproveitou para criticar a organização da prova. "Já fui vice-campeão da competição e nem vaga no hotel oficial tive. Espero que ano que vem se lembrem de mim", afirmou o atleta brasileiro, feliz da vida por ter superado uma operação no pé há pouco mais de um ano.(informações do Estadão)

Leia Também