Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

“Quebrados” enfrentarão ricos e candidatos fortes na campanha

“Quebrados” enfrentarão ricos e candidatos fortes na campanha
19/07/2010 20:01 -


Os “quebrados” vão enfrentar forte concorrência para deputado federal. Para complicar ainda mais a situação deles, existem apenas oito vagas para Mato Grosso do Sul. Um dos fortes rivais dos “sem-nada” é o milionário deputado estadual Reinaldo Azambuja (PSDB), que entrou na disputa para ser o mais votado. O tucano declarou patrimônio de R$ 31,9 milhões e montou grande estrutura de campanha.
Outro favorito é o estreante Edson Giroto (PR). Ele é o candidato preferido do governador André Puccinelli (PMDB) para chegar à Câmara dos Deputados. Portanto, não deve faltar estrutura financeira para custear a sua campanha.
Do clã da família Trad, destaca-se o ex-presidente da OAB-MS, Fábio Trad (PMDB). Com a aposentadoria de Nelson Trad, que este ano não está concorrendo às eleições, Fábio foi escolhido para sucedê-lo. O prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PMDB), e seu irmão, o deputado estadual Marquinhos Trad (PMDB), serão ao lado do pai os grandes cabos eleitorais de Fábio. Eles podem não ter a estrutura financeira, mas tem respaldo político muito forte.
Dos atuais deputados federais, destaca-se o favoritismo do petista Vander Loubet, que sempre foi um campeão de votos. Ele espera repetir a expressiva votação, sabendo da forte concorrência de Azambuja.
Não está afastada também a reeleição do deputado federal Geraldo Resende (PMDB), da região da Grande Dourados. Da mesma região surge ainda o ex-deputado federal João Grandão (PT). Portanto, os “quebrados” terão de “requebrar” e dar os seus “pulos” para superar os favoritos na corrida por uma vaga na Câmara dos Deputados. (AT)

Felpuda


Prefeitura de município do interior de MS recebeu recomendação do Ministério Público do Estado no sentido de exonerar servidores comissionados, livres do cartão de ponto, que são parentes de secretários da administração e de vereadores. O nepotismo se tornou um excelente “negócio” por lá, e se até o dia 6 de agosto as devidas providências não forem tomadas, medidas serão adotadas, como ação por improbidade administrativa. Tem gente que não aprende mesmo, né?