Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 17 de novembro de 2018

taxas menores

Quase 60% dos brasileiros mudariam de banco

10 SET 2012Por INFOMONEY15h:08

No Brasil, 58,7% da população mudaria de banco se o concorrente oferecesse taxas de juros menores.

“Ao tomar conhecimento de taxas de juros mais baixas na concorrência, a maioria dos correntistas brasileiros se diz disposta a migrar seus empréstimos e contas. A portabilidade, no entanto, ainda é desconhecida por grande parte deles”, afirma o sócio diretor do Data Popular, Renato Meirelles.

De acordo com uma pesquisa Juros Bancários - Migração de contas entre bancos, realizada pelo Data Popular, 53% dos brasileiros acreditam que os bancos públicos possuem as menores taxas. Já 35,3% não sabem definir se as menores taxas são encontradas nas instituições públicas ou privadas.

Menores taxas
Segundo o levantamento, 39,2% dos entrevistados afirmaram que a Caixa Econômica Federal é o banco com as menores taxas de juros, seguida pelo Banco do Brasil (13,8%).
O Bradesco aparece na terceira posição com 4,7%, seguido pelos bancos: Itaú Unibanco (3,8%), Santander (2,7%) e HSBC (0,5%). Já 35,2% não souberam afirmar qual banco teria a menor taxa.

Relacionamento
A pesquisa também revela que 59,2% dos correntistas de bancos privados se acham enganados pela instituição sobre taxas de juros e tarifas. Nos bancos públicos o percentual de correntistas com a mesma opinião é de 57,5%.

O levantamento também mostra a insatisfação dos brasileiros com o atendimento bancário.

De acordo com a pesquisa, 71,5% acham que são mal atendidos nas agências.

Na pesquisa, 88% dos entrevistados disseram que não acham fácil usar o caixa eletrônico. “A diversidade de informações requisitadas pelos bancos no auto atendimento, além dos recursos gráficos apresentados nas telas das máquinas eletrônicas, provoca uma percepção ruim aos correntista. Quase nove em dez afirma ser o caixa eletrônico de difícil utilização”, explica Meirelles.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também