Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

POLÍTICA

Quais são as cirurgias

Quais são as cirurgias
22/03/2010 01:08 -


Perinoplastia: É uma das operações mais populares para as mulheres que recorrem aos serviços de um cirurgião plástico vaginal, sobretudo as mais idosas ou as que tiveram vários partos normais. Consiste na adaptação de uma técnica clínica usada há décadas na correção da incontinência urinária para o estreitamento da vulva e da entrada da vagina. Um ‘lifting’ íntimo, com recurso a laser que, dizem os especialistas, pode melhorar tanto o prazer da mulher como o do parceiro também. Labioplastia: O procedimento mais comum consiste na reconstrução dos lábios menores (lábios internos) que se apresentam demasiado grandes, longos ou assimétricos (labioplastia redutora). É ainda possível conferir uma aparência mais jovem aos lábios exteriores (labioplastia de aumento), através de uma injeção de gordura retirada do corpo da própria paciente. Himenoplastia: É a reconstrução do hímen. É um procedimento que permite restaurar o hímen da mulher, “como se nada tivesse acontecido”, sobretudo por razões culturais. Lipoplastia: É a redução estética, por lipoaspiração, do “Monte de Vênus” e das partes superiores dos lábios maiores. Remove o excesso de gordura indesejável que faz volume na região baixa do abdomem (zona dos pelos púbicos). Clitoroplastia: Essa cirurgia liberta o clitóris do seu capuz de mucosa em excesso, com isto promovendo maior exposição ao contato sexual e, por ventura, em algumas mulheres, maior facilidade em se atingir o orgasmo. Os resultados são, contudo, bastante discutíveis, pois admite-se que a melhoria obtida talvez esteja mais relacionada com as alterações psicossomáticas que libertam as pacientes das inibições sexuais.

Felpuda


Malfeitos que teriam sido praticados em tempos não tão remotos podem ser a pedra no caminho de pré-candidatura que está sendo costurada. As conversas ainda estão nas “ondas da rádio-peão”, mas, com a proximidade da campanha eleitoral, há quem diga que isso se tornará uma tremenda dor de cabeça para quem vai enfrentar as urnas. Pior:  o dito não seria culpado direto, mas sim a sua...  Bem, deixa rolar para ver onde vai parar.