Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

2010

Publicidade rende US$ 1,86 bilhão ao Facebook

19 JAN 2011Por ESTADÃO00h:04

A receita do site de relacionamentos Facebook com publicidade aumentou 86% no ano passado, para R$ 1,86 bilhão, de acordo com uma estimativa da consultoria eMarketer. Com 650 milhões de usuários em todo o mundo, a empresa fundada por Mark Zuckerberg cresceu ancorada especialmente no mercado de pequenas e médias empresas, justamente o grupo que tem a menor verba para investimento em propaganda e marketing.

 Nesse sentido, aponta a publicação especializada em publicidade AdAge, o Facebook está seguindo os passos do Google, ao fornecer a seus clientes uma opção "self service" para a criação e veiculação de anúncios que têm como objetivo principal criar um relacionamento estreito e direto com o usuário. A publicação lembra que a estratégia ajudou a transformar o Google em um gigante digital de US$ 200 bilhões ao longo da última década.

Os dados sobre o crescimento do Facebook vêm para corroborar o recente frisson causado pelas notícias sobre uma possível abertura de capital (IPO, na sigla em inglês) da empresa de Zuckerberg. Recentemente, a companhia já recebeu um aporte de US$ 500 milhões do Goldman Sachs e de um investidor russo, dando ao Facebook um valor de mercado de US$ 50 bilhões.

Para 2011, a expectativa é que o faturamento do Facebook em publicidade mais do que dobre, atingindo US$ 4 bilhões. Em 2012, a receita com a veiculação de anúncios deve superar a marca de US$ 5,7 bilhões, o que representará uma expansão de quase 700% em três anos.

A maior parte da receita do Facebook com publicidade veio dos EUA - US$ 1,12 bilhão, ou 60% do total -, mas essa relação deve mudar nos próximos anos. Até 2012, a expectativa é que a receita do mercado externo "empate" com os resultados americanos em US$ 2,87 bilhões, o que resultaria em um faturamento estimado em US$ 5,74 bilhões.

Caso as expectativas de crescimento se confirmem, dizem analistas, a expansão do Facebook nos próximos anos rivalizará com o crescimento de 400% que o maior gigante da internet, o Google, demonstrava no início da década passada.

Brasil. O ano passado foi importante para o site no Brasil, de acordo com Gabriel Jacob, supervisor de planejamento digital e analista de tendências da agência Fischer+Fala!: "Foi o ano da consolidação e popularização do Facebook no Brasil, por conta de constantes transformações e inovações."

Segundo Jacob, o Orkut ainda é uma ferramenta relevante, por oferecer comunidades bem divididas por temas e grupos de interesse, mas o Facebook foi além, ao criar plataformas específicas para fins promocionais. "A facilidade para se desenvolver e inserir aplicativos de marcas e atrair um grande número de pessoas para essas plataformas é maior no Facebook", explica.

O publicitário diz que pelo menos 70% das empresas de todo o mundo já têm alguma estratégia nas redes sociais. Empresas de grande porte, como a gigante americana GE, já gastam o equivalente a 15% de sua verba com publicidade na comunicação direta com os consumidores.

"As redes sociais são uma alternativa para a empresa que precisa otimizar a verba de marketing, pois têm um custo reduzido em relação às mídias tradicionais", diz Jacob, lembrando que, por isso, a participação das pequenas e médias empresas no segmento é relevante.

O analista diz que o segmento já vê as redes sociais além do "complemento" da mídia tradicional. "Tudo depende com o público-alvo. Especialmente se for um produto voltado para usuários de tecnologia e para um público jovem, o Facebook pode ser a ferramenta principal para o lançamento", diz Jacob.

Leia Também