Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

PTB pode deflagrar rebelião em caso de aliança com o PMDB

16 MAR 10 - 07h:55
As articulações do presidente regional do PTB, Ivan Louzada, visando a levar o partido para o palanque do governador André Puccinelli (PMDB) na campanha eleitoral, podem deflagrar rebelião nas bases. O pré-candidato a governador, pecuarista Zelito Ribeiro, apontou dois caminhos para o partido na sucessão estadual: candidatura própria ou aliança com o PT. Segundo ele, trata-se de decisão da executiva regional do partido. Portanto, rejeita acordo com o PSDB ou PMDB nas eleições deste ano. Segundo Zelito, até o início de abril, o partido vai decidir, em conjunto, seu rumo na sucessão estadual – candidatura própria ou aliança com o PT – e não aceitará imposições de ninguém. Para ele, Louzada vai ter de respeitar a decisão da executiva. Hoje, o PTB tem pré-candidato a governador, no caso, o próprio Zelito. Mas se o comando petista forçar aliança para a reeleição de Puccinelli, o pecuarista admitiu a formação de rebelião nas bases do partido contra o acordo com o PMDB. Segundo ele, as bases rejeitam subir no palanque de André. Se não concorrer ao governo, Zelito aponta como proposta mais viável ao PTB a indicação do vice na chapa do ex-governador José Orcírio dos Santos, onde terá ainda a chance de ocupar a primeira suplência de senador de Delcídio do Amaral. “Até agora, apenas o PT oficializou convite ao PTB”, explicou. Por outro lado, o presidente regional da sigla, Ivan Louzada, defende a aliança com o PSDB na hipótese de Zelito recuar de concorrer ao Governo do Estado. A opinião leva em conta a decisão da direção nacional de apoiar o candidato tucano à sucessão presidencial. O problema, observou Zelito, é o fato de o PSDB nem sequer ter decidido entrar na disputa pelo Governo do Estado. O partido só vai participar da corrida eleitoral no caso de o PMDB apoiar a candidatura da ministra Dilma Rousseff (PT) a presidente da República. Diante da indefinição dos tucanos, petebistas suspeitam da aproximação de Louzada com Puccinelli. “Não tenho a informação de que o presidente regional firmou acordo com o PMDB. Só sei que eles conversaram”, disse Zelito. A questão, segundo ele, é o PTB já ter descartado aliança com o PSDB ou com o PMDB. “Em reunião da executiva, decidimos que, até o início de abril, vamos tomar nosso caminho: ou lançar candidato próprio ou aliar-se ao PT”, reforçou. Questionado se abriria mão do projeto de disputar o Governo do Estado para apoiar o PT, Zelito não deixou dúvidas: “com certeza”. Segundo ele, em troca da parceria, os petistas estão dispostos a oferecer a vaga de vice e o comando de duas secretarias. “A proposta vai fortalecer o partido para as próximas eleições”, ressaltou. No caso de ocorrer uma reviravolta aproximando o partido do PMDB, Zelito destacou que cabe à maioria da executiva decidir o rumo do PTB. Ele afastou a possibilidade de aceitar a decisão de caciques e até admitiu a formação de rebelião nas bases da sigla. “Na filiação de diversas lideranças, houve compromisso de o partido não tomar atitudes isoladas”, revelou. Sobre a h ipótese de o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, exigir a reprodução da aliança nacional em Mato Grosso do Sul, Zelito foi taxativo: “de jeito nenhum”. “A direção nacional nos deu liberdade para seguir o melhor caminho no Estado”, explicou.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Projeto de privatização da Eletrobras chega ao Congresso em novembro

ECONOMIA

Índice de Confiança do Empresário Industrial fica estável pelo 3º mês

ECONOMIA

Intenção de consumo das famílias cresce pelo terceiro mês

BRASIL

Governo libera orçamento de universidades federais

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião