Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

TEMOR

PT vive inquietação com saída temporária de Dutra

10 ABR 2011Por ESTADÃO10h:38

Há oito anos e 100 dias no poder, o PT passa por um drama complexo. Do ponto de vista político, o horizonte é calmo, com a popularidade da presidente Dilma Rousseff alta para o início de governo. O clima interno do partido, no entanto, não é tranquilo. De licença desde 22 de março, quando teve uma crise de hipertensão, José Eduardo Dutra (SE), presidente do partido, solicitou mais um período de afastamento - até a Semana Santa.

Como o assunto é tratado com muito cuidado dentro do PT e entre os amigos próximos de Dutra, as especulações são muitas.

 Amigos, como o governador de Sergipe, Marcelo Déda (PT), o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PC do B), e o deputado Márcio Macêdo (PT-SE), que têm mantido contato com Dutra, afirmam que ele teve um estresse fortíssimo por causa da sobrecarga de trabalho. E que eles mesmos o aconselharam "a dar um tempo" até se recuperar. "Eu sugeri que ele desligasse o telefone, porque um político gasta parte de sua vida e de suas energias ao telefone", contou Déda.

 O fato é que, com a ausência de Dutra, três movimentos estão em curso nos bastidores do PT. "A maioria tem confiança de que Dutra voltará ao comando do partido", afirmou o deputado André Vargas (PR), secretário de Comunicação. O grupo Mensagem ao Partido, que conta com o governador do RS, Tarso Genro, procura levar o secretário-geral, Elói Pietá, para o cargo de Dutra.

Leia Também