PT quer deputados com Delcídio e Orcírio

PT quer deputados com Delcídio e Orcírio
16/03/2010 07:55 -


Para começar a definir a agenda unificada do ex-governador José Orcírio Miranda dos Santos e do senador Delcídio do Amaral em encontros a serem realizados em diversas regiões do Estado a partir do fim deste mês, o presidente regional do PT, Marcus Garcia, reúne-se hoje com a bancada estadual do partido, integrada pelos deputados Amarildo Cruz, Pedro Kemp e Pedro Teruel. O encontro, com início previsto para as 11h30min, deve ser realizado na própria Assembleia Legislativa. Conforme Garcia, além da participação das duas principais lideranças nos encontros regionais – Orcírio e Delcídio –, o PT faz questão da presença de todos os seus deputados estaduais, além de prefeitos, vereadores e dirigentes municipais da sigla. “O partido quer que seus parlamentares ocupem espaço devido e legitimado do PT nessas agendas”, informou o dirigente. Os encontros a serem promovidos a partir do fim deste mês e, que prosseguirão em abril, terão por objetivo ouvir propostas da sociedade civil organizada de todo o Estado na formulação do programa de governo do PT para Mato Grosso do Sul. Na reunião desta manhã com os deputados, o presidente do PT pretende também buscar a unificação dos discursos neste período pré-eleitoral. Depois de conversar com os parlamentares, Marcus Garcia coordenará reunião extraordinária do Diretório Regional do PT, na sede do partido, às 14 horas. “O tema principal da pauta são as eleições de 2010”, informou. Às 16 horas, reunirá o Grupo de Trabalho Eleitoral (GTE), para tratar da unificação das agendas.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".