PT e PDT querem formar bloco para reforçar candidatura de Orcírio

PT e PDT querem formar bloco para reforçar candidatura de Orcírio
23/01/2010 08:03 - MARIA MATHEUS


O PT e o PDT querem montar um bloco de sustentação à candidatura de José Orcírio dos Santos ao Governo do Estado. Na próxima semana, Orcírio deve apresentar a ideia à direção regional do partido e propor a inclusão de outras siglas, como PTB, PP e PMN. “Esse é o nosso desafio. Queremos consolidar esse bloco para colocar o pé na estrada”, disse o deputado federal Vander Loubet (PT). A intenção é elaborar agendas conjuntas, unificar discursos e definir estratégias eleitorais. “Com a formação do bloco, cada partido vai continuar tendo sua autonomia, inclusive para composição de chapas. Mas o bloco terá um comando para coordenar as reuniões por região, mobilizar conjuntamente, fazer agendas conjuntas”, explicou o deputado. O assunto foi discutido ontem em reunião no escritório de Orcírio, em Campo Grande. Além do ex-governador e do deputado Vander, participaram do encontro o presidente da comissão provisória do PDT, João Leite Schimidt e o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT). Ganhando terreno Segundo Vander, o PT precisa aproveitar-se do atual cenário político para “ganhar terreno”. No ano passado, o partido conseguiu aparar as arestas e unir suas lideranças – até então, o senador Delcídio do Amaral e o ex-governador brigavam pelo comando da sigla. Além disso, a sigla também conseguiu o compromisso do PDT de apoiar Orcírio nas eleições de outubro. O PMDB, por outro lado, vive momento de crise com seus principais aliados, o PSDB, o DEM e o PPS, além da disputa do deputado federal Waldemir Moka e do senador Valter Pereira pela vaga de candidato ao Senado na chapa do governador André Puccinelli (PMDB). “Nós temos que aproveitar agora para ganhar terreno. Temos que construir e ampliar nosso bloco e começar a sinalizar para o PTB, para o PP, PMN”, avaliou Vander. Ele não tem dúvidas de que a crise do PMDB com seus aliados beneficia o PT. Para Vander, as atitudes de André “só estão reforçando a candidatura do Zeca (Orcírio)”. “Quando ele fala que não precisa da classe política, isso tem um reflexo muito grande. O (ex-governador Pedro) Pedrossian perdeu a eleição em 1998 por causa desse discurso”, lembrou.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".