quarta, 18 de julho de 2018

LIVROS

Psicologia e poesia em dois novos livros

8 OUT 2010Por Thiago Andrade04h:32



O que é a feminilidade na rapidez e fluidez dos tempos contemporâneos? Com as mulheres tendo de enfrentar o mercado de trabalho e ainda se aventurar nas tarefas do lar, torna-se necessário endurecer-se para lidar com todas as dificuldades pelas quais têm de passar. É sobre isso que o psicólogo, jornalista e filósofo Jacir Alfonso Zanatta discorre no livro “A mulher de aço: um estudo de caso sobre a feminilidade”, que será lançado hoje, às 20h, na Clínica de Psicologia, localizada na Rua Brasil, 948. Publicado por meio da Editora UCDB, o trabalho faz uma análise a partir da psicanálise sobre o tema.

“A pesquisa nasceu de uma consulta, na qual percebi esse endurecimento em uma paciente. Desenvolvi o trabalho para a conclusão de minha graduação em Psicologia. Foi um prazer muito grande escrever o livro, pois é uma área que me interessa e um tema instigante”, aponta. No livro, Zanatta procurou escrever de forma leve, sempre fazendo relações entre as teorias e o mundo, por meio, principalmente, de canções. “Percebo que a perda da feminilidade tem sido constante. Por isso produzi uma obra acessível”, ressalta.

A formação como jornalista e filósofo também pode ser percebida no trabalho. Segundo Zanatta, o texto carrega a clareza da escrita jornalística e a pesquisa se aprofundou nos temas como se pede de um bom filósofo. “Vou me colocando no livro, não dá para fugir da nossa formação. Embora trate da dureza do cotidiano, é um trabalho leve”, acredita.

Divididas em sete capítulos, as 162 páginas de “A mulher de aço” fazem um percurso que sai da psicanálise e seu autor central, Sigmund Freud, até chegar no conceito desenvolvido por Zanatta para tratar das mulheres que precisam se enrijecer para suportar todo o peso do mundo em que vivem.
Poesia
Saindo do mundo das teorias, o escritor Rikardão Salvador lança hoje, às 19h30min, na Livraria Leitura do Shopping Campo Grande, o livro “As canções q’eu ñ kantei”. Os poemas reunidos na obra fazem uso de invenções ortográficas, como sinais e abreviações, além da mistura de idiomas, indo do português arcaico ao inglês contemporâneo. “Eu procuro fazer uma integração da língua e mostrar que as barreiras podem ser derrubadas. Também encontrei nesse trabalho uma forma única de expressão”, descreve.

Graduado em Odontologia, Rikardão explica que escolheu se dedicar exclusivamente à literatura: “O sonho existe desde a infância. Resolvi passar umas coisas para o papel e gostei do resultado”, explica.
Embora este seja seu primeiro livro, o poeta afirma que existem planos para as próximas publicações, que incluem um livro infantil e os relatos gastronômicos de viagens que fez a 19 países.

Leia Também