Sexta, 23 de Fevereiro de 2018

PSDB escala Fernando Henrique para atrair PV

6 OUT 2010Por 01h:00

São Paulo

O PSDB escalou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para tentar atrair o apoio de Marina Silva (PV) no segundo turno da eleição. Os tucanos contam com o esforço de dois aliados no PV: o candidato derrotado ao governo do Rio, Fernando Gabeira, e o secretário do Meio Ambiente da prefeitura de São Paulo, Eduardo Jorge.
Gabeira declarou voto em Serra e disse que conversará com Marina sobre o assunto, mas “sem a intenção de convencê-la”. A estratégia tucana é esperar que FHC quebre as resistências da senadora a Serra.
A relação dos dois chegou ao pior momento no debate da TV Globo, quando o tucano a acusou de ter participado do “governo do mensalão”.
Em outra frente, o governador eleito Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito Gilberto Kassab (DEM) foram acionados para negociar com deputados e vereadores do PV. Eles ajudariam a forçar o apoio institucional da sigla a Serra caso Marina insista em não declarar voto.
 
Sem promessas
Ao relatar os telefonemas de Dilma e Serra, Marina ressaltou que não prometeu apoio: “ambos telefonaram para parabenizar pela contribuição que demos ao País e manifestaram o desejo de ter a oportunidade de conversar, caso eu ache oportuno e no momento adequado”.
A senadora voltou a indicar que pretende se declarar neutra. Ela repetiu o discurso de que os votos não pertencem a ela, indicando que não dirá a seus eleitores como se comportar: “O cidadão é dono do seu voto. O voto não é da Marina, do Serra ou da Dilma, é do eleitor”.
Questionada se poderia apoiar um dos dois após repetir várias vezes que eles são “muito parecidos” e têm uma “visão atrasada” do desenvolvimento, ela sorriu e não respondeu.
O coordenador da campanha verde, João Paulo Capobianco, fez coro ao discurso. “Se os candidatos quiserem o apoio dos eleitores da Marina, eles têm de convencer os eleitores. A Marina não é dona do voto de ninguém”, afirmou Capobianco.
A senadora estuda usar o momento para tentar arrancar promessas de Dilma e Serra em questões sensíveis a ela, como a mudança do Código Florestal e a construção da usina de Belo Monte.

Leia Também