Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

Presidência

PSDB deve lançar candidato já em 2012

1 NOV 2010Por ESTADÃO06h:43

O presidente nacional do PSDB, o senador pernambucano Sérgio Guerra defendeu neste domingo que o seu partido defina o candidato à próxima disputa presidencial em 2012, dois anos antes do pleito.

"Daqui a dois anos, defendo que o partido defina o seu candidato a presidente da República, que não fique nessa polêmica de um candidato ali, outro candidato ali, que a gente tenha unidade desde o começo, projeto, organização, para construirmos a vitória", disse o senador.

Guerra falava na sede da campanha de José Serra, no centro de São Paulo, logo após o candidato tucano reconhecer a vitória de Dilma Rousseff (PT) no segundo turno da disputa presidencial.

Serra lançou sua candidatura à Presidência em abril deste ano, enquanto Dilma o fez dois meses antes, em fevereiro.

O lançamento tucano ocorreu após o ex-governador mineiro Aécio Neves abrir mão de concorrer à Presidência, depois de travar disputa com Serra nos bastidores do partido.

 

Oposição responsável

Segundo Guerra, o PSDB se portará de modo responsável na oposição. "Seremos democráticos, seremos firmes, mas seremos brasileiros. Não queremos o 'quanto pior, melhor'. Estaremos dispostos a ajudar no que for importante, a aprovar o que for necessário e a combater o que estiver errado."

O senador disse também que o partido não permitirá que a coligação vencedora construa uma "hegemonia".

"O PT e os que ganharam de nós nesta eleição trabalharam para construir uma hegemonia, e não uma democracia. No Congresso, nós vamos agir para que o contraditório se estabeleça, para que a fiscalização se dê, para que o Tribunal de Contas da União seja valorizado."

'Propaganda brutal'

Guerra atribuiu vitória de Dilma à "força desproporcional do conjunto que se opôs a nós", acusando o governo Lula de se valer da máquina pública na campanha e de fazer uma "propaganda brutal".

Apesar da derrota na disputa presidencial, Guerra diz que o PSDB deu uma demonstração de força nesta eleição.

"Tivemos 45% dos votos dos brasileiros, elegemos oito governadores, governamos mais da metade do Brasil. Este é um grande partido e tem de ser respeitado como tal."

Leia Também