Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sábado, 23 de fevereiro de 2019 - 18h06min

PSDB de MS avalia hoje avanço de petista

8 FEV 10 - 07h:00
O avanço da ministrachefe da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), nas pesquisas eleitorais para presidente da República deixou em alerta o PSDB de Mato Grosso do Sul. Hoje, a partir das 7h30min, os tucanos reúnem-se na sede do diretório estadual, em Campo Grande, para avaliar os efeitos do crescimento da provável adversária e o risco de o governador de São Paulo, José Serra, desistir da corrida ao Planalto. Uma das propostas em pauta é afinar o discurso das lideranças estaduais. O presidente regional do PSDB, deputado estadual Reinaldo Azambuja, aposta no apoio do governador André Puccinelli (PMDB) a Serra para conter o avanço de Dilma, pelo menos em Mato Grosso do Sul. Porém, ante a indefinição sobre a própria candidatura do governador paulista, não há como pressionar o PMDB regional a tomar uma posição. Além de garantir palanque consistente nos estados, o que se discute hoje no PSDB e DEM é segurar Serra como pré-candidato a presidente da República. O DEM chegou a abrir mão da vaga de vice para o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, que recusou o assédio da cúpula do partido na semana anterior. Vice-presidente nacional do PSDB, a senadora Marisa Serrano (MS) não esconde a apreensão com o crescimento de Dilma. Há poucos dias, até se envolveu em troca de acusações com a ministra. Mas hoje evita entrevistas para não polemizar mais com a petista. Em nível regional, a senadora também esquiva-se de falar sobre os ataques que sofreu do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Jerson Domingos (PMDB), e de outros parlamentares da base aliada de André, depois que ensaiou lançar candidatura própria ao governo estadual. Recusa de Aécio Embora n i nguém fa le abertamente em desistência de Serra, as mobilizações pós pesquisas indicam preocupação do bloco nacional. Para evitar o recuo, o DEM abre mão de indicar o vice da chapa. Na semana anterior, o expresidente Fernando Henrique Cardoso e outros membros da cúpula tucana tentaram convencer o mineiro Aécio Neves a assumir a vaga. Uma chapa com governadores dos dois maiores colégios eleitorais do Brasil seria forte argumento para Serra manter o projeto de suceder Lula. Aécio, entretanto, descartou a possibilidade e rechaçou especulações de que aguardaria até maio para, caso Serra mantivesse a liderança, aceitar ser vice. “É absurda e irresponsável essa ilação de que aguardo pesquisas. Serei candidato ao Senado por Minas porque, não sendo candidato à presidência, é esta a melhor forma de contribuir para que o PSDB seja vitorioso nessas eleições”, disse o governador, em declaração divulgada por sua assessoria. “Ilações absurdas como essa servem apenas para apequenar um debate que é tão relevante para o País e, por isso mesmo, merece ser tratado com responsabilidade e seriedade”, completou. “Tudo ou nada” Para alguns analistas, as atuais eleições são “tudo ou nada” na carreira política de José Serra. Em março deste ano, o tucano completará 68 anos. Se não se eleger presidente, terá de esperar mais quatro anos para se candidatar. Teria então 72 anos, um ano a mais que o presidente Fernando Henrique quando entregou a Presidência a Luiz Inácio Lula da Silva. O cient ist a pol ít ico e professor da Universidade de Brasília (UnB) Leonardo Barreto declarou que, em caso de nova vitória petista, “Serra será um político derrotado e sem mandato”. Terá de esperar para concorrer ao Senado daqui a quatro anos, “quando a única vaga terá que ser disputada com [Eduardo] Suplicy (PT), o que não é nada fácil”. Portanto, não está descartada a opção de Serra optar por disputar a reeleição em São Paulo e abrir mão da sucessão presidencial caso a petista Dilma Rousseff continue subindo nas pesquisas.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Governo informa que dois caminhões com ajuda entraram na Venezuela

BRASIL

Bolsonaro resgata medidas rígidas que foram propostas pelo PT

Comercial tropeça para Costa Rica e adia classificação
ESTADUAL 2019

Comercial tropeça para Costa Rica e adia classificação

VENEZUELA

'Dia D' de missão humanitária na Venezuela tem confrontos com militares

Mais Lidas