Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PSB deve caminhar com PT e indicar o vice de Orcírio

PSB deve caminhar com PT e indicar o vice de Orcírio
14/05/2010 07:21 -


lidiane kober

O PSB deve caminhar com o PT na sucessão estadual e indicar o vice na chapa do ex-governador José Orcírio dos Santos (PT). Hoje, o favorito para ocupar a vaga é o professor universitário de Dourados, Cláudio Freire (PSB). Em 2002, ele concorreu ao Governo do Estado e conquistou 1,73% dos votos válidos (18.222). Por meio da indicação, os petistas esperam fortalecer a candidatura de Orcírio na região da Grande Dourados e fechar de vez aliança com o PSB.
No PT, é unânime a vontade de ter um representante do segundo maior colégio eleitoral do Estado na chapa majoritária. A estratégia é fazer contraponto ao governador André Puccinelli (PMDB), que escolheu uma liderança de Três Lagoas, a ex-prefeita Simone Tebet (PMDB), como parceira de chapa, deixando Dourados de lado.
Em recente entrevista à rádio Grande FM, Orcírio citou cinco nomes da região para ser seu vice. Na lista, figuraram os ex-prefeitos Humberto Teixeira e José Elias Moreira, ambos do PDT, além de três nomes do PSB: o presidente da Caixa de Assistência dos Servidores de Mato Grosso do Sul (Cassems), Lauro Sérgio David, o professor universitário Cláudio Freire e o vereador José Carlos Cimatti.
Para setores do PT, o nome de Cláudio é o favorito. “Ele não tem rejeição”, destacou um petista. No PSB, a indicação do professor universitário também é vista com bons olhos. “No partido, não existe objeção ao nome do Cláudio”, revelou o presidente regional da sigla, Sérgio Assis.
Hoje, a indicação do vice de Orcírio estará em debate em mais uma edição do Encontro Regional do PT, em Dourados. O ex-governador está na cidade desde ontem à noite a fim de adiantar as negociações.

Aliança com o PSB
No entanto, antes de escolher o vice, Orcírio precisa atrair de vez o PSB para seu arco de alianças. Sérgio Assis reconheceu que a “tendência do partido é reproduzir a coligação nacional, firmando parceria com o PT”, mas antes, ele quer ouvir a proposta do PMDB. “Indicar o vice é interessante, porém, a nossa prioridade é eleger deputado estadual e federal”, ressaltou. “Por isso, precisamos conhecer bem as chapas proporcionais para fazer as contas e analisar em qual temos mais chances de emplacar candidatos”, explicou.
Por enquanto, Sérgio Assis só conhece as propostas do PT. “Já nos reunimos várias vezes com os petistas, mas com o André ainda não conversamos”, frisou. O plano é conversar com o governador depois do dia 21, após encontro nacional do PSB. “Até o final do mês decidimos nosso futuro”, prometeu.
Na eventualidade de confirmar-se a aliança com o PT, segundo o dirigente do PSB, é interessante participar de uma chapa, reunindo PDT, PSL, PCdoB, PMN, PRB e PSB. A lista de partidos está em negociação com Orcírio.
Por outro lado, setores do PT entendem que seria mais vantajoso lançar um chapão dos grandes partidos (PDT, PP, PT e PSB) e outro reunindo as siglas menores (PSL, PCdoB, PMN e PRB). “Não cogitamos integrar chapa com o PT e PP, nem com o PMDB, DEM, PSDB e PR”, avisou Assis. Para ele, o ideal seria um grupo reunir PP e PT e o outro os demais partidos, que confirmem aliança com Orcírio.

Felpuda


A continuar disparando tantas críticas ácidas contradizendo o seu partido, que em nível nacional ganhou até um ministério, político cá dessas bandas poderá ser colocado de escanteio e, se continuar nessa cruzada nada palatável para as lideranças, ser convidado gentilmente a “procurar o caminhão do qual caiu”, como se diz no popular. Os comentários são de que o dito-cujo age assim mais para ganhar holofotes. Esqueceu-se, pelo que se vê, que poderá ocorrer curto-circuito. Ui!