Sábado, 17 de Fevereiro de 2018

procedimentos de ética

PSB abre processo para cassar 23 por infidelidade partidária

14 DEZ 2010Por Fernanda Brigatti00h:40

A Executiva Regional do PSB abriu procedimentos de ética contra 23 pessoas, entre elas prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e presidentes de diretórios em Mato Grosso do Sul por infidelidade partidária. Eles são suspeitos de fazer campanha, nas eleições deste ano, para candidatos de outro partido, especialmente na disputa à Câmara dos Deputados. O nome do PSB no Estado era o do presidente regional Sérgio Assis.

A abertura dos procedimentos foi realizada com base em resolução da Executiva Nacional, aprovada antes do período eleitoral, estabelecendo que todos os detentores de mandato deveriam fazer campanha para os candidatos do partido. Passadas as eleições, há cerca de 40 dias, segundo explicou o presidente regional, ex-deputado estadual Sérgio Assis, a nacional pediu um relatório sobre as atuações locais. "Eu não tenho ainda um resumo desse material. Não integro (a comissão; ela foi nomeada a pedido da nacional", disse.

O presidente da Comissão de Ética do partido, o professor Valmir Correa, afirmou que todos os peessebistas incluídos na apuração ainda serão notificados e terão prazos para defesa. "É um trabalho a longo prazo. Tivemos que abrir a comissão para cumprir o que a nacional previa. A resolução era muito séria", explicou. Entre os alvos da comissão está o vereador Carlão, de Campo Grande, e outros 15 parlamentares.

Outras apurações
Além do problema com a infidelidade, o PSB também quer pegar pesado com diretórios ineficientes. A resolução agora cobrada pela Executiva Nacional determina a dissolução das municipais que não conseguiram ter mais votos do que o número de filiados.

Com isso, 13 diretórios municipais podem sofrer intervenção estadual e ter as executivas dissolvidas, por não terem alcançado essa meta. O PSB foi o partido que mais cresceu neste ano, em todo o Brasil, com 34 deputados federais eleitos.

Leia Também