segunda, 16 de julho de 2018

Protestos e troca de acusações marcaram audiência de energia

13 MAR 2008Por 20h:10
     

A audiência pública de hoje, que discutiu a revisão tarifária de 2008, foi recheada de discursos inconformados, protestos de consumidores e cobrança de clareza na composição das tarifas de energia. O encontro mal começou e o clima de tensão instalou-se no ar. A ira partiu do presidente do Concen, Ademar da Silva Júnior.

 

Ele tentou impedir a realização da audiência, alegando que a Aneel não enviou documentos essenciais ao processo de revisão tarifária. A tentativa foi frustrada.

Mas Ademar não desistiu e quando chegou sua vez, voltou a acusar a agência de regulação.

 

Os questionamentos foram contestados pelo procurador da Aneel, Ricardo Brandão, que garantiu que tanto a disponibilidade de documentos quanto os ritos da audiência atenderam aos requisitos legais. "Mentira os documentos não estão disponíveis. Isso é uma farsa, um desrespeito um procurador mentir na nossa cara", gritou da platéia um cidadão sul-mato-grossense, em reação as palavras de Ricardo Brandão.

 

Ele saiu revoltado e ganhou a adesão de algumas pessoas, que conclamaram todos a se retirarem para evitar a continuidade da audiência, mas a tentativa foi em vão e a maioria do público permaneceu no local.

Em seguida, começou uma enxurrada de acusações a Aneel e a Enersul.

Leia Também