Quarta, 13 de Dezembro de 2017

EGITO

Promotoria acusa 20 jornalistas da Al Jazeera de transmissão de notícias falsas

29 JAN 2014Por FOLHA PRESS23h:00

A Promotoria do Egito anunciou hoje que acusou formalmente 20 jornalistas da sucursal da rede de televisão Al Jazeera --16 egípcios e 4 estrangeiros.

De acordo com o governo, os estrangeiros (um australiano, dois britânicos e uma holandesa) divulgaram "mentiras" que prejudicaram os interesses estatais, além de ter provido dinheiro e equipamento para os 16 egípcios --por sua vez, acusados de pertencer a uma "organização terrorista".

O canal, com sede no Qatar, já havia divulgado a detenção de três de seus jornalistas, incluindo o australiano Peter Greste, mas não está claro quem são os dois britânicos e a holandesa citados pela Promotoria.

Foi noticiado hoje, também, que o apelo de Greste, detido desde 29 de dezembro no país, foi negado por uma Corte egípcia.

Há, ainda, outros repórteres da rede Al Jazeera mantidos presos, alguns há cinco meses. O canal nega todas as acusações.

Os 20 acusados são descritos, nos papéis da Promotoria, como a "Célula Marriott", em referência ao hotel em que se hospedavam no Egito e de onde supostamente organizavam um centro de mídia para manipular dados.

Não está claro qual seria a entidade terrorista, mas o governo considerou recentemente como tal a Irmandade Muçulmana, que até julho de 2013 ocupava a Presidência.

O escritório da Al Jazeera no Cairo está fechado desde 3 de julho, data do golpe militar que derrubou o presidente Mohammed Mursi, ligado à Irmandade.

O Qatar foi um importante financiador do governo egípcio na época de Mursi, o que lhe valeu a inimizade da cúpula militar, hoje por trás do governo interino.
 

Leia Também