quarta, 18 de julho de 2018

Promessas de Serra foram alvos do Tribunal de Contas

27 SET 2010Por 07h:55

BRASÍLIA

Algumas das principais bandeiras hoje empunhadas por José Serra (PSDB) na campanha à Presidência foram objeto, durante sua gestão no governo de São Paulo, de ressalvas de auditorias promovidas pelo TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado).
Uma equipe de 15 técnicos finalizou, em maio, a análise das contas relativas a 2009, terceiro ano de Serra à frente do governo ao qual renunciou em abril para concorrer, segundo a Folha Online.
As contas foram aprovadas, mas as auditorias realizadas apontam problemas nas áreas de saúde, distribuição de medicamentos, habitação popular, expansão da oferta de transporte de massa, saneamento e política de esporte nas escolas, entre outras.
Na saúde, a gestão de Serra é cobrada por ignorar os planejamentos anuais na definição de investimentos. Apesar de algumas metas terem sido superadas, o TCE diz que há “ausência de garantias quanto a critério, planejamento e racionalidade”.
Também foram verificados problemas em obras realizadas pelo Estado, como valor contratado acima do orçado e obras entregues já com infiltrações e rachaduras. Agora, uma das principais propostas de Serra é construir 154 ambulatórios médicos de especialidades.
Ainda na área da saúde, Serra promete distribuição de “cestas de medicamentos” gratuitas. O TCE, contudo, afirma que, como governador, ele não cumpriu a destinação de valores mínimos determinados por normas para um programa semelhante e reduziu a verba disponível para a ação.
Nessa área, o órgão descobriu que o governo paga mais por medicamentos do que outras instituições e recomenda que a “pactuação de preços deveria ser revista”.
Outra promessa do presidenciável Serra é “garantir a oferta de moradia popular de qualidade”, com imóveis “bem acabados”. Quando governador, casas e apartamentos entregues a partir de sua posse, em 2007, apresentam uma série de problemas, segundo fiscalização do TCE.
Na região metropolitana de São Paulo, 62% dos moradores consultados pelos auditores disseram sofrer com vazamentos e infiltrações.
No interior, onde prevalecem casas, a maior reclamação (38% dos entrevistados) foi em relação a goteiras.

Leia Também