Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Projeto prevê R$ 5,9 bi em ferrovias de MS para transporte de minério

24 MAI 10 - 07h:07
Guilherme Soares Dias

O minério de ferro de Corumbá pode render a Mato Grosso do Sul o maior projeto privado em uma ferrovia na história do País. A América Latina Logística (ALL), concessionária da estrada de ferro que liga a cidade pantaneira a Bauru (SP) estuda projetos para transportar o minério até um porto, de onde possa ser exportado. 

Para concretizar o projeto, a empresa teria que dispor de, pelo menos, R$ 1 bilhão para a reforma da antiga Noroeste do Brasil ou até R$ 5,9 bilhões para construir uma nova ferrovia, paralela à atual, de acordo com estimativas de especialistas. A operação depende ainda da viabilização da exportação do minério por um terminal portuário. Entre as opções estudadas, estão o porto de Sepetiba (RJ), onde já há terminais para embarque do produto, ou ainda o porto de Santos (SP), onde não há exportação de minério e precisaria ser construídos terminais e toda a logística para possibilitar a atividade.

Para a ALL o projeto é considerado estratégico, já que vai possibilitar a geração de receita homogênea pela empresa ao longo do ano. Estruturalmente, o estudo da obra demonstra a retomada do setor, que foi jogado ao ostracismo na década de 90. A Noroeste é representativa nesse processo, já que foi uma das primeiras vias férreas concedidas à iniciativa privada no Brasil, em 1996. Concedida para a Novoeste, a ferrovia não recebeu investimentos e foi sucateada ao longo dos anos até a ALL assumir o controle, em 2006.

O diretor superintendente da ALL, Paulo Luiz Araújo Basílio, afirmou na semana passada, durante teleconferência com investidores, que devem ser transportados de 15 milhões a 25 milhões de toneladas de minério de ferro na operação. “Nosso projeto para a Novoeste é muito grande”, afirmou. Esse volume corresponde à metade do que é transportado pela companhia atualmente, que chega a 50 milhões por ano.
Ele lembrou que o negócio ainda depende de acordos com as empresas que extraem o minério e adiantou que uma das possibilidades é a exportação pelo Porto de Sepetiba. “Lá há terminais da CSN”, lembrou. Para que essa atividade se concretize, a empresa precisaria utilizar as linhas da MRS, que levam até Sepetiba.

Apesar de lembrar que o projeto é para o médio prazo, já que os investimentos atuais da ALL vão até 2012, Basílio ressaltou que todas as operações que agregam valor para a empresa são consideradas. “Essa operação é positiva, já que traz visibilidade maior para os negócios da ALL e possibilita que outras empresas do mesmo setor possam usar a nossa malha”, afirmou.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Abertas inscrições para curso gratuito de manipulação de alimentos
CAMPO GRANDE

Abertas inscrições para curso gratuito de manipulação de alimentos

Sisu abre inscrições nesta terça, com 6,1 mil vagas em universidades de MS
NOTA DO ENEM

Sisu abre inscrições nesta terça, com 6,1 mil vagas em universidades de MS

ÁSIA

China registra terceira morte por novo vírus e primeiros casos em Pequim

Fuga em massa gera crise na alta cúpula do governo paraguaio
FRONTEIRA

Fuga em massa gera crise na alta cúpula do governo paraguaio

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião