Segunda, 19 de Fevereiro de 2018

Projeto de Lei Orgânica da PF será levado a Lula na quinta

22 MAR 2009Por 17h:35
     

        Da Redação

        Em meio a controvérsias, reuniões acaloradas e uma tensa queda de braço travada nos bastidores das entidades de classe, a Polícia Federal finalmente vai ganhar sua Lei Orgânica - instrumento que dispõe sobre a organização e funcionamento da corporação que detém competência para combater o crime organizado e corrupção no governo. Na próxima quinta-feira (26), durante cerimônia pelos 65 anos da instituição, no edifício-sede da PF, em Brasília, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deverá receber o texto do projeto de lei das mãos do ministro Tarso Genro (Justiça) e do delegado Luiz Fernando Corrêa, diretor-geral da Polícia Federal."A Lei Orgânica tem pontos inconciliáveis", alerta Marcos Leôncio Sousa Ribeiro, presidente da Comissão de Prerrogativas da Associação Nacional dos Delegados da PF. "O consenso a que as categorias chegaram é relativo à maturidade e responsabilidade. O jogo está começando. Cada um vai levar sua bandeira ao Congresso.

        "A PF - cerca de 12 mil policiais em todo o País, dos quais 2 mil são delegados e 7 mil são agentes - é um departamento que atua amparado unicamente em um decreto que estabelece sua vinculação ao Ministério da Justiça. Na última quarta-feira, o ministro da Justiça reuniu em seu gabinete a cúpula da PF e os líderes sindicais.

        A Lei Orgânica é resultado de empenho pessoal do diretor-geral. Desde que assumiu o comando da PF, em 2007, Corrêa tem agido com neutralidade, buscando evitar atritos internos e não favorecer essa ou aquela categoria. Desempenhou papel de articulador, abrindo espaço para as lideranças. Foram muitas as vezes em que negociou com o governo. Sua meta é a modernização da gestão na PF e a valorização dos profissionais pelos critérios de produção e qualidade. (Com Agência Estado)

Leia Também