Quinta, 22 de Fevereiro de 2018

Projeções sobre a economia vai de alto a baixo em tempo de crise

25 ABR 2009Por 16h:30
     

No momento de grande crise mundial, até as projeções e estimativas dos economistas apresentam muitos contrastes e instabilidade. Governo, mercado, bancos, institutos de pesquisa e entidades de classe prevêem um cenário em que a economia brasileira pode ter desde uma queda de 1,5% até um crescimento de 2%. Há estimativas para otimistas e para pessimistas.

O professor Fabio Kanczuk, da Faculdade de Economia da Universidade de São Paulo (USP), afirmou que projeções para o crescimento da economia são importantes tanto para as empresas quanto para os trabalhadores. No caso das empresas, as estimativas servem para que saibam qual será a demanda pelos seus produtos.

Um dos parâmetros que servem de base para os cálculos do desempenho da economia é o Produto Interno Bruto (PIB), a soma dos bens e serviços produzidos no país.

Se o PIB é alto [a indústria e o comércio], vão vender mais e têm que produzir mais. Se o número é baixo, se produzir mais vai ficar cheio de estoque e não terá para quem vender e pode até quebrar, disse Kanczuk.

Leia Também