Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, domingo, 21 de outubro de 2018

Produtores de MS exportam gergelim para o Paraguai

28 MAR 2010Por 00h:51
O plantio de gergelim é a aposta de pequenos produtores da agricultura familiar e assentados dos municípios próximos à região de fronteira com o Paraguai. O grupo de produtores que explora a oleaginosa, na grande maioria, é formado por brasiguaios oriundos de colônias paraguaias e que continuam mantendo vínculo de comercialização com o país vizinho. Praticamente 90% da produção de gergelim branco, o mais cultivado na região, está sendo comercializada para empresas paraguaias, em função do bom preço alcançado. Em algumas dessas propriedades, onde é cultivado o gergelim, os produtores vêm utilizando-se da técnica da adubação verde, proveniente das sementes de mucuna-preta, mucuna-cinza, mucuna-anã, feijão-de-porco, crotalária júncea, feijão guandu e nabo forrageiro, distribuídas pelos técnicos do Serviço de Política e Desenvolvimento Agropecuário da SFA/MS, como forma de estruturar os bancos comunitários de sementes de adubos verdes em Mato Grosso do Sul. Nos assentamentos Itamarati (Ponta Porã) e Neri Ramos Volpato (Bela Vista), os produtores de gergelim pertencentes ao Núcleo de Agroecologia da Associação dos Produtores de Orgânicos do Estado (Apoms), estão conseguindo vender o produto semibeneficiado a R$ 6,00 o kg. A produção é razoável, mas extremamente artesanal, em função das dificuldades de manejo da cultura. Além da dificuldade de os produtores encontrarem sementes melhoradas geneticamente, com maior potencial produtivo e de orientações técnicas que minimizem as perdas na hora da colheita, fatores como os riscos climáticos também pesam na decisão de cultivo do gergelim. Os principais fatores climáticos que exercem influência no desenvolvimento da oleaginosa são: temperatura, precipitação pluviométrica (chuvas), luminosidade (fotoperíodo) e altitude. Apesar das dificuldades técnicas encontradas, o produtor Adeniro José de Souza, residente no lote 774 do Assentamento Itamarati II, em Ponta Porã, relata que trabalhar com o gergelim é compensador e traz excelentes resultados para os produtores orgânicos e agroecológicos. Segundo declarou o produtor, o Banco do Brasil pretende apoiar a implantação de uma unidade de beneficiamento de gergelim no assentamento para produção de óleo, hoje cotado a aproximadamente R$ 30 o litro no Brasil. Adeniro Souza é filiado ao núcleo da Apoms no PA Itamarati e oriundo da Colônia Santa Rosa, no Paraguai. Zoneamento agrícola Com o objetivo de identificar os municípios aptos para o cultivo e os períodos de semeadura com menores riscos climáticos para a cultura do gergelim, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou na quinta-feira as normas do zoneamento agrícola para o gergelim. As normas foram publicadas ontem no Diário Oficial da União (DOU), para 10 estados e o Distrito Federal. São eles: Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também