Produtores da fronteira pedem laticínio

Produtores da fronteira pedem laticínio
22/02/2010 03:30 -


A produção de leite em Ponta Porã é atualmente uma das principais fontes de renda dos assentamentos rurais. Os assentados produzem uma média de 36 mil litros/dia, que são comercializados para quatro laticínios, apenas um deles instalado na fronteira. Conforme informações do chefe do escritório da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer) no Assentamento Itamarati, Gilberto Rodrigues, um levantamento realizado recentemente apontou que, somando a produção do Itamarati I e II e nos assentamentos Dorcelina Folador, Nova Era e Boa Vista, são produzidos 36 mil litros de leite/dia. Rodrigues explica que toda essa produção é vendida para grandes laticínios com atuação no Mato Grosso do Sul, como a Saga Agroindustrial, que produz o leite longa vida São Gabriel; para a Confepar, que é a união de cooperativas agropecuárias do norte do Paraná; Leite Camby, de Dourados; e para a Associação dos Leiteiros de Ponta Porã. “Agora est amos d iscutindo, através do projeto de Desenvolvimento Regional Sustentável do Leite, a implantação no Assentamento Itamarati II de um tanque pulmão para resfriar o leite, permitindo que o produto possa ser vendido a granel. Esse é um projeto que está sendo formatado através da Agraer, Banco do Brasil e Associação dos Moradores do Assentamento Itamarati. O empreendimento precisa de R$ 1,5 milhão de investimentos”, afirma. Gilberto Rodrigues disse que o leite atualmente é uma excelente fonte de renda para as famílias dos assentados, mesmo com o preço em baixa. Ele disse que o preço pago pelos laticínios gira em torno de R$ 0,39 o litro. “Em outras regiões, sabemos que tem preços melhores”, ressaltou.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".