Campo Grande - MS, quinta, 16 de agosto de 2018

AGRICULTURA

Produtor terá boa renda com a safra, diz ministro

6 ABR 2011Por da redação14h:23

 O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Wagner Rossi, apresentou os números do sétimo levantamento da safra 2010/2011 na manhã de hoje. Apesar do número recorde na produção de grãos, que deve chegar a 157,4 milhões de toneladas, o preço não vai cair para o produtor rural. “Esse resultado segue a linha do governo de garantir renda ao produtor sem penalizar o consumidor”, disse.

O secretário de Política Agrícola do Ministério, Edilson Guimarães, também assegurou a estabilização na venda dos grãos. “Os produtos vão continuar com preços remuneradores, apesar da alta safra”, disse. Os altos preços dos produtos agrícolas registrados atualmente também foram analisados durante o anúncio da safra de grãos. Para Guimarães, a razão está no aumento da demanda, isto é, a população consome mais do que produz, não só no mercado interno, mas também no externo. “Este é o patamar de preço mais alto historicamente. Não vejo produto agrícola sendo vilão da inflação”.

O único produto que está recebendo apoio do governo, segundo o secretário, é o arroz, devido a suas particularidades. “O arroz é um produto bem diferente, produzido para o consumo interno, portanto, se exporta muito pouco. Não é uma commodity. Quem consome, produz”, explicou Edilson Guimarães. Operações como Prêmio para Escoamento do Produto (PEP) e Aquisição do Governo Federal (AGF) estão sendo feitas para manter o preço mínimo do produto. A partir deste mês, também serão realizados leilões de opção pública e privada.

Clima

A produção de grãos no país foi recorde mesmo com chuvas intensas nos estados da região Centro-Oeste, como Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Segundo o superintendente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Airton Camargo, os problemas pontuais causados pela chuva não afetaram o total da safra, compensada por outros estados e produtos.

Na avaliação da Conab, as condições climáticas foram benéficas para o cultivo. O feijão, por exemplo, está com oferta abundante no mercado. Houve um pouco de receio com a queda do milho primeira safra, mas a área e a produção praticamente se igualaram aos números do ano passado. O trigo obteve boa colheita e atingiu uma das maiores áreas até então cultivadas. “A soja teve maior produtividade em todos os estados e o Mato Grosso vai ter a maior produção de todos os tempos”, afirmou Airton Camargo (veja aqui os números do sétimo levantamento).

O levantamento da safra de grãos é um estudo realizado mensalmente pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), empresa vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Leia Também