POLÍTICA

Procuradoria emite parecer favorável à candidatura de Dagoberto

Procuradoria emite parecer favorável à candidatura de Dagoberto
04/08/2010 08:20 -


O procurador regional eleitoral, Pedro Paulo Grubits Gonçalves de Oliveira, opinou pela improcedência da ação de impugnação apresentada contra a candidatura do deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT) ao Senado. No parecer, ele também se manifesta favorável à aprovação do registro do parlamentar.
A candidatura de Dagoberto foi impugnada pelos deputados estaduais Onevan de Matos e Ary Rigo, ambos do PSDB, com base em uma suposta inelegibilidade devido à regra da Ficha Limpa. Os dois são inimigos políticos declarados do parlamentar. O deputado federal tem duas condenações por improbidade administrativa referentes ao período em que foi secretário estadual de Justiça e Segurança Pública. Em ambas, ele foi multado pela Justiça Estadual. O procurador eleitoral, em seu parecer, afirma que “não há que se falar em inelegibilidade, uma vez que dentre todas as sanções possíveis de aplicação para os caso de improbidade administrativa – previstas no art. 12 da Lei nº 8.429 – não fora aplicada a de suspensão dos direitos políticos”.
O registro de Dagoberto deve ser julgado amanhã pelo TRE. Ele integra a coligação A Força do Povo, ao lado de Delcídio do Amaral (PT), e que tem José Orcírio dos Santos (PT) como candidato ao governo. O relator do pedido é o juiz eleitoral Ary Raghiant Neto. (FB)
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".