Procurador-geral e ministros consideram possível voto integral de Peluso no mensalão

Procurador-geral e ministros consideram possível voto integral de Peluso no mensalão
22/08/2012 01:00 - AGÊNCIA BRASIL


Uma das principais dúvidas no julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF), o voto integral do ministro Cezar Peluso é visto como uma possibilidade pelo relator Joaquim Barbosa, pelo presidente da Corte, Carlos Ayres Britto, e pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

Peluso se aposenta compulsoriamente no dia 3 de setembro ao completar 70 anos, e sua última sessão na Corte será no dia 30 de agosto. Portanto, restam apenas cinco sessões para que ele vote (não estão programadas sessões de análise do processo do mensalão para as terças e sextas), abrindo dois cenários possíveis para a participação do ministro no julgamento.

No primeiro, Peluso votaria apenas nos itens já apresentados pelo relator e deixaria de participar do resto do julgamento. Barbosa levou duas sessões para votar em um dos sete capítulos da denúncia e, se o julgamento seguir nesse ritmo, Peluso conseguiria votar, no máximo, em metade das acusações, atuação apelidada pelos advogados do caso de “voto capenga”.

A outra possibilidade seria o ministro adiantar seu voto por inteiro quando a palavra for aberta a ele pela primeira vez, antecipando-se até mesmo ao relator e ao revisor do processo, Ricardo Lewandowski, na maioria das imputações. A manobra é tratada como exceção no STF, mas tem respaldo no regimento interno da Corte. No primeiro parágrafo do Artigo 135, o regimento informa que os ministros podem adiantar os votos se o presidente assim autorizar.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".