CASO CACHOEIRA

Procurador bate boca com advogado em audiência

Procurador bate boca com advogado em audiência
25/07/2012 11:12 - G1


O procurador da República Daniel Resende e o advogado Douglas Dalto Messora, que defende um dos réus do processo referente à Operação Monte Carlo, bateram boca na manhã desta quarta-feira (25) durante audiência na Justiça Federal em Goiãnia.

Durante o depoimento do agente da Polícia Federal Renato Moreira, Messora - que defende Gleyb Ferreira, acusado de fazer parte do grupo de Cachoeira - mencionou que o policial disse que fazia "dedução" em relação aos dados contábeis dos acusados. O procurador, então, argumentou que o agente deixou claro que fazia dedução com base no relatório de contabilidade.

"O senhor fala e eu fico quieto. Fica o senhor quieto e eu falo", disse o advogado, que completou, se dirigindo à testemunha: "O senhor tem um bom defensor". O procurador rebateu: "Não, eu sou o fiscal da lei." O advogado disse: "O senhor é fiscal da lei e eu sou defensor." Em tom de voz alto, o procurador disse: "O senhor colocou palavras na boca da testemunha. Quem tem que se colocar no seu lugar é vossa excelência."

O juiz do caso, Alderico Rocha, interviu e pediu que o advogado continuasse com as perguntas. O advogado disse: "Vou tirar a palavra dedução porque o ilustre procurador fica chateado."
 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".