Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Processo acirra guerra do PDT com deputados

1 MAI 10 - 05h:34
LIDIANE KOBER

Processo de infidelidade partidária voltou a acirrar a guerra do PDT com os deputados estaduais Ary Rigo e Onevan de Matos, que trocaram o partido pelo PSDB. Ontem, o deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT) reagiu à possibilidade de os parlamentares se livrarem da ação pelo fato de a direção nacional ignorar pedido do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para apresentar documento, provando que não houve intervenção no Estado. Segundo ele, o ofício não existe e a “defesa está fazendo de tudo para adiar o julgamento para depois das eleições”.

“Não tem nada a ver esse tal de documento. O que eles querem é ganhar tempo e o advogado (Carlos Marques) está usando sua influência para conseguir jogar o julgamento para depois das eleições de outubro”, afirmou Dagoberto. Segundo ele, além de pedir o documento, a defesa agiu para convocar mais testemunhas a fim de “ganhar tempo”. “Eu, por exemplo, não estava na lista e fui arrolado para testemunhar”, contou.

Para o parlamentar, o plano da defesa de Rigo e de Onevan é procrastinar o julgamento para depois das eleições com o intuito de o processo não atrapalhar a reeleição dos deputados, já que, se condenados, eles perdem o mandato. “A lei dá 60 dias para a Justiça julgar uma ação por infidelidade, porém, se passaram oito meses e nada”, ressaltou.

De acordo com a acusação, Rigo e Onevan trocaram o PDT pelo PSDB para continuar na base do governador André Puccinelli (PMDB). “Para esses deputados o que importa é continuar mamando nas tetas do governo. Eles sempre são e serão governistas, independentemente de quem está no Poder”, declarou.

Por outro lado, a defesa alega que queria adiar a decisão do rumo do partido na sucessão estadual para o período das convenções, enquanto Dagoberto, de olho na vaga de candidato ao Senado, exigia anunciar o lado da legenda ainda no ano passado.

Diante do impasse, a direção nacional acabou destituindo Rigo da presidência regional e nomeando João Leite Schimidt para comandar a sigla. Daí a necessidade do documento, solicitado pelo TRE. De acordo com a acusação não houve intervenção, apenas foi nomeado um representante, enquanto isso, a defesa afirma que aconteceu a intervenção.

Como a direção nacional não encaminhou o documento, depois de ser consultada por três ocasiões, o advogado Carlos Marques acredita que “a tendência é de que prevaleça a nossa tese”. “Fico triste, indignado de ver a arrogância com que esses profissionais da política, antecipem, juntamente com um advogado, um resultado tão sério. É triste ver que o meu Estado sofra esse tipo de influência”, rebateu Dagoberto.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

QUATRO MORTES

Sobe para 21 o número de casos suspeitos de intoxicação por cerveja

Abertura de mercados internacionais ampliam perspectivas econômicas, diz presidente do Sicredi
COOPERATIVISMO

Abertura de mercados internacionais ampliam perspectivas econômicas, diz presidente do Sicredi

Confira o resultado final <br>do vestibular da UFMS
EDUCAÇÃO

Confira o resultado final
do vestibular da UFMS

Bolsa acentua alta no fim e renova máxima histórica, a 118.861,63 pontos
MERCADO FINANCEIRO

Bolsa acentua alta no fim e renova máxima histórica, a 118.861,63 pontos

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião