Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sábado, 16 de fevereiro de 2019 - 15h30min

Problemas no clima e férias inflacionam o custo de vida

5 FEV 10 - 01h:55ADRIANA MOLINA
Os problemas climáticos – que provocam perdas nas safras de hortaliças e leguminosas, e fazem oscilar os preços dos produtos – e também as férias escolares inflacionaram o custo de vida dos campo-grandenses no início do ano. Depois da alta de 1,34% na inflação em janeiro, foi a vez de a cesta básica familiar subir 1,21% e ficar mais cara na Capital. No mês de dezembro de 2009, o somatório de preços dos 44 itens que compõem a cesta foi de R$ 958,93, enquanto que em janeiro o valor saltou para R$ 970,54. O aumento é justificado pelo excesso de chuvas no mês e pelo alto consumo no período de férias. De acordo com pesquisa feita pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente, das Cidades, do Planejamento da Ciência e Tecnologia (Semac), 18 produtos colaboraram significativamente com a alta da cesta básica alimentar, entre eles a cenoura, que apresentou o maior índice de elevação de preços no mês, de 25,76%, e a alface, com 23,03%. “A alface, entre os hortifrútis, tem sido a principal prejudicada pelas chuvas. Como o legume estraga muito, fica escasso no mercado e os preços sobem”, explica Ana Claudia Lopes Mandu, analista de planejamento e orçamento da Semac. A importação da alface de outros estados, como de São Paulo, por exemplo, também colaborou para o acréscimo nos preços, segundo a analista. Inflacionaram a cesta no mês, ainda, a laranja (9,22%), por causa do alto consumo no calor; e o açúcar cristal (8,64%), por conta da demanda no mercado internacional, após queda nas safras brasileira e indiana. Houve também aumento de preços da batata (6,88%); couve (5,05%); margarina (2,99%); e mandioca (2,98%). Nos produtos de higiene, ocorreu variação positiva de 1,62%. Os itens que registraram altas foram: dentifrício (5,38%) e papel higiênico (4,63%). Nos de limpeza, apresentaram aumento de preços: detergente (2,30%); desinfetante (1,55%) e cera em pasta (0,92%). Conforme o economista Fábio Strang Ciasca, em geral, a elevação dos preços dos produtos da cesta básica, é justificada pelo maior consumo no período. “Essa época pós-festas de final de ano, associada com o período de férias, onde as crianças e pais ficam mais tempo em casa, acaba aumentando a demanda por alimento, reduzindo a oferta no mercado. E pela lei de oferta e demanda é assim: quanto menor oferta e maior demanda, mais caros ficam os produtos”, explica. Quedas E comprovando a lei da oferta e demanda citada pelo economista, os preços de produtos como o tomate, por exemplo, registraram queda, segundo a pesquisa. Ele ficou 15,69% mais barato em janeiro. O fato ocorreu justamente por causa do período de safra – época em que estão disponíveis em quantidades maiores nos supermercados. Ainda por causa da safra, caíram também os preços da cebola (14,06%), do mamão (12,56%), e do óleo (5,99% - associado a supersafra da soja). A arroba em baixa fez com que as carnes ficassem 5,58% mais baratas. O leite registrou queda de 1,35% pela boa produção. Apresentaram decréscimo também o macarrão (1,29%), fubá (1,22%), trigo (0,86%) e o arroz (0,81%). O pão francês, queijo e peixe manteram seus preços inalterados. Nos produtos de higiene houve queda de preços na lâmina de barbear (1,07%). Sabonete e absorvente não registraram alteração de preço. Cesta individual Já a cesta básica alimentar, composta por 15 itens para a alimentação diária de um trabalhador adulto, ficou 3,02% mais cara em janeiro deste ano. Em dezembro de 2009, ela custava R$ 199,85, enquanto que no mês passado R$ 205,89.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

FIM DA ANGÚSTIA

Familiares de mulher que teve o corpo furtado realizam terceiro sepultamento

Rosilei Potronieli, de 37 anos, foi assassinada na semana passada em Terenos
MEIO AMBIENTE

Ministro contraria Ibama e diz que plantação em área indígena não é ilegal

Ambulância é arrombada e furtada  em pátio da Central de Regulação
CAMPO GRANDE

Ambulância é furtada em pátio da Central de Regulação

Goleiro Jefferson afirma não ter sido chamado para seleção por racismo
FUTEBOL

Goleiro Jefferson afirma não ter sido chamado para seleção por racismo

Mais Lidas