Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Prisão preventiva de empresário deve ser decidida hoje

2 AGO 10 - 12h:20
DANIELLA ARRUDA

O juiz Carlos Alberto Garcete, da 1ª Vara dos Crimes Dolosos Contra a Vida e Tribunal do Júri de Campo Grande, deve decidir hoje se decreta a prisão preventiva do empresário e projetista Luiz Afonso dos Santos de Andrade, 42 anos, acusado do assassinato da esposa, a arquiteta Eliane Nogueira de Andrade, 39 anos. A vítima foi encontrada morta, carbonizada, no próprio carro, no dia 2 de julho, em Campo Grande.
O requerimento de prisão temporária, formulado pelo delegado Wellington de Oliveira, titular da 4ª Delegacia de Polícia (Moreninhas), foi encaminhado ao magistrado na sexta-feira, dois dias antes de vencer o prazo da prisão temporária do acusado. No entanto, mesmo tendo parecer favorável do Ministério Público Estadual, o juiz Carlos Alberto Garcete entendeu que o exame do pedido demandava maior tempo de análise, em razão da complexidade do caso, e prorrogou a prisão temporária de Luiz Afonso até hoje.
O empresário está detido na Delegacia das Moreninhas, mas caso o juiz decrete a prisão preventiva ele deverá ser transferido imediatamente para o Presídio de Trânsito, situado na região da saída para Três Lagoas. Se ele não apresentar o diploma de bacharel em direito, que declarou ter, será levado para uma cela comum.
Eliane Nogueira foi assassinada e teve o corpo carbonizado dentro do próprio carro, na noite de 2 de julho, uma sexta-feira. Na madrugada do dia 3, o Corpo de Bombeiros foi acionado para apagar incêndio em um veículo na região do Bairro Tiradentes e ao controlar as chamas constatou que havia o corpo de uma mulher no automóvel e que se tratava da arquiteta.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ITÁLIA

Motorista sequestra e ateia fogo em ônibus lotado de crianças

Ato foi aparente protesto contra afogamentos de migrantes
Obras na Consul Assaf e Bandeirantes devem sair do papel com convênio de R$ 169 milhões
JUNTOS POR CAMPO GRANDE II

Obras na Consul Assaf e Bandeirantes devem sair do papel com convênio de R$ 169 milhões

Clientes que não receberam materiais da Bigolin devem recorrer à justiça
FALIDA

Clientes que não receberam materiais da Bigolin devem recorrer à justiça

Prefeito e governador saem em defesa das obras do Reviva
CRÍTICAS

Prefeito e governador saem em defesa das obras do Reviva

Mais Lidas