Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

PROPINA

Prisão de Deborah Guerner não foi motivada pela Operação Caixa de Pandora, informa MP

20 ABR 2011Por AGÊNCIA BRASIL18h:10

A prisão da promotora Deborah Guerner e do marido dela, Jorge Guerner, nesta quarta-feira (19), não foi motivada pela Operação Caixa de Pandora da Polícia Federal, que investiga o escândalo do pagamento de propina a políticos e empresários do Distrito Federal. Segundo informou a Procuradoria Regional da República da 1ª Região (PRR1), o casal Guerner teve a prisão preventiva decretada por suspeita de formação de quadrilha e falsificação de documentos, delitos que teriam sido praticados em São Paulo.

No Distrito Federal, Deborah Guerner é acusada de extorquir dinheiro do ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda para poupá-lo de investigações sobre irregularidades no trato do dinheiro público, como autorizar contratos sem licitação e receber propina. O outro denunciado é o ex-procurador-geral de Justiça do DF Leonardo Bandarra, que também teria se beneficiado do esquema de corrupção.

Em relação à Caixa de Pandora, uma nova denúncia feita na última sexta-feira (15) pelo procurador Ronaldo Albo afirma que a promotora teria cometido fraude processual ao simular insanidade mental para não ser punida pelos crimes pelos quais responde. O MP afirma que há documentos que comprovam que ela chegou a treinar com um psiquiatra para parecer insana diante das autoridades. A juíza Mônica Sifuentes, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, ainda vai decidir se aceita a nova acusação contra Guerner.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também