Quarta, 21 de Fevereiro de 2018

CASO ELIZA SAMÚDIO

Primo do goleiro Bruno diz que foi torturado pela polícia e forçado a mentir ao depor

3 NOV 2010Por folha online17h:22

Primo do goleiro Bruno Fernandes, Sérgio Rosa Sales, o Camelo, 22, disse nesta quarta-feira que foi torturado e ameaçado pela polícia e que mentiu em depoimentos sobre a permanência da modelo Eliza Samudio, no sítio do jogador, em Esmeraldas, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Sales é o único dos oito réus acusados pelo desaparecimento de Eliza que falou sobre o suposto crime à polícia e sobre o que viu no sítio do goleiro.

As declarações foram feitas nesta quarta durante uma audiência no fórum de Ribeirão das Neves, também na região metropolitana, onde estão sendo ouvidas testemunhas de defesa dos réus. Oito testemunhas já foram ouvidas.

O primo do goleiro também pediu à Justiça de Minas Gerais a substituição do seu advogado. Sales afirmou ainda que o delegado de Contagem, Edson Moreira, responsável pelo caso Bruno, o torturou com um saco plástico e o obrigou a aceitar o advogado Marco Antônio Siqueira como defensor.

O delegado, segundo Sales, ainda o obrigou a mentir em depoimentos e na reconstituição, incriminando os outros réus.

Em um depoimento em julho, Sales havia dito à polícia que a modelo foi mantida em cativeiro no sítio de Bruno, em Esmeraldas, e que o goleiro estava na casa do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, quando Eliza foi supostamente morta por Santos.

O depoimento dele era uma das principais provas da polícia contra Bruno.

Além de Sales, também compareceram à audiência o goleiro Bruno e outros sete réus indiciados pelo desaparecimento de Eliza.

Na chegada ao fórum, o goleiro mandou beijos para pessoas que gritaram palavras de apoio. Parentes do jogador levaram as duas filhas do casamento de Bruno e Dayanne de Souza, outra réu do caso. A mulher chegou a dar beijos nas duas crianças antes da audiência.

Em nota, a Polícia Civil afirmou que em nenhum momento Sales sofreu algum tipo de constrangimento, e que nos depoimentos ele era acompanhado por seu advogado, Marco Antônio Siqueira, e por um representante da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

Siqueira não foi localizado pela reportagem. A Folha também tentou, mas não conseguiu falar com o delegado Moreira.

Nesta quarta, a Polícia Civil de Minas Gerais fez buscas pelo corpo de Eliza Samudio na região de Belo Horizonte. Os trabalhos ocorrem no parque Lagoa do Nado e na Mata do Planalto com a ajuda do Corpo de Bombeiros. Nada foi encontrado.

Leia Também