CIDADES

Primeiras doses devem ser aprovadas em 2013

Primeiras doses devem ser aprovadas em 2013
15/03/2010 09:02 -


A busca pela vacina vem consumindo recursos desde a década de 90 e, segundo especialistas, pode ser a solução para lidar com o problema que tanto afeta os países tropicais. Diante da explosão do número de casos no mundo, uma corrida entre as principais farmacêuticas foi lançada. Só a empresa que está desenvolvendo a vacina que será testada em Campo Grande, a francesa Sanofi-Aventis, prevê investimento em torno de US$ 1 bilhão (R$ 1, 88 bilhão), com projeção de ter as primeiras doses aprovadas em 2013. Como é uma doença típica de países pobres – de clima tropical – durante muito tempo a indústria farmacêutica não teve interesse em investir no desenvolvimento de uma vacina, por falta de perspectiva de lucratividade. O quadro mudou desde que a incidência da dengue nos países latinoamericanos aumentou cinco vezes nos últimos 30 anos. Na década de 80, cerca de 1 milhão de pessoas ficaram doentes por causa da dengue na América Latina. Nos anos 90, o número saltou para 2,7 milhões. Entre 2000 e 2007, a Organização Pan-americana de Saúde contabilizou 4,8 milhões de casos. O número de mortes também cresceu. Passou de 242, nos anos 80, para 1,4 mil entre 2000 e 2007. Uma das dificuldades é que são quatro os vírus causadores da dengue, tipos 1, 2, 3 e 4, que ainda não foi detectado no País, mas já tem incidência na Venezuela. (FP)
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".