Campo Grande - MS, quinta, 16 de agosto de 2018

IBGE

Prévia do IPCA vai a 0,77% puxado por transporte

20 ABR 2011Por G108h:36

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15), prévia do índice oficial usado para basear as metas do governo de controle dos preços, acelerou para 0,77% em abril, segundo informou nesta quarta-feira (21), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em março, a prévia ficara em 0,60%. Nos últimos 12 meses, o índice acumula alta de 6,44% e, no ano, de 3,14%. Na comparação com o mesmo período do ano passado, a taxa ficara em 0,48%.

Os grupos alimentação e bebidas, cuja taxa de variação passou de 0,46% para 0,79%, e transportes, que viu os preços acelerarem de 1,11% para uma alta de 1,45%, exerceram as principais contribuições pela aceleração do índice no mês.

No grupo de gastos com transporte, o preço dos combustíveis tiveram a maior influência sobre o índice, com variação de 5,26%. O preço da gasolina acelerou de 0,76% para 4,28% e o do etanol, de 4,68% para 16,40%. No período, os preços das tarifas dos ônibus urbanos passaram de uma alta de 0,83% para um avanço de 0,62% e dos intermunicipais: de 1,94% para 0,87%.

Também ficaram mais caros outros itens, como conserto de automóveis (de -0,12% para 1,65%), automóvel usado (de -1,54% para 1,37%) e estacionamento (de 0,09% para 4,06%). Mas, ficaram mais baratas as passagens aéreas apresentaram queda de 9,39% contra 29,16% em março e os automóveis novos seguiram em queda (de -0,29% para -0,39%).

Alimentação mais cara
Em abril, o IBGE aponta como as principais resultados as variações de preços de cebola (de 3,67% para 22,56%), leite pasteurizado (de -0,38% para 1,58%), batata-inglesa (de 9,66% para 10,05%), feijão carioca (de -6,91% para 5,99%), pescados (de 0,08% para 2,91%), ovo (de 4,22% para 4,43%), frango em pedaços (de 1,53% para 2,45%) e café moído (de 2,09% para 2,10%), entre outros.

No entanto, outros itens ficaram mais baratos, como carnes (de -2,33 % para -0,43%), açúcar refinado (de -2,55% para -2,49%) e frutas (de 3,33% para -0,81%).

Leia Também