quinta, 19 de julho de 2018

Presos os assaltantes que fizeram arrastão em sobaria

22 OUT 2010Por Vânya Santos02h:25



A Polícia prendeu os três assaltantes que promoveram arrastão numa sobaria da Capital, roubando cerca de 30 pessoas. Ailton Fernandes de Barros, 27 anos; Sílvio César Pereira de Souza, vulgo Cesinha, 33 anos; e Juliano Silva dos Santos, o Bijula, 27 anos, foram presos na quarta-feira, acusados de assalto à Sobaria do Beto, localizada na Rua Aporé, Bairro Amambaí. O quarto envolvido ainda está foragido. O crime ocorreu na noite de 14 de julho deste ano.
O adjunto da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf), André Luiz Novelli, explicou que Sílvio, Juliano e uma terceira pessoa identificada apenas pelo apelido de Neguinho, invadiram a sobaria, renderam clientes e funcionários.
Os três estavam armados com revólveres calibre 38 e durante o arrastão subtraíram das vítimas aparelhos celulares, documentos, cerca de R$ 800 e um veículo Fox. O comparsa Ailton teria usado seu carro Kadet, preto, para levar o grupo até o estabelecimento e deu cobertura à quadrilha durante a ação criminosa.
Investigação feita por equipe da Derf, que durou aproximadamente três meses, apontou Juliano como um dos envolvidos e ele foi identificado pelas vítimas por meio de arquivo fotográfico. A Justiça expediu mandado de prisão temporária e o suspeito foi abordado na residência de Sílvio, que fica na Rua Ezequiel Ferreira Lima, Bairro Guanandy 2, onde foi encontrada uma arma de fogo calibre 32. Policiais também revistaram a casa de Ailton, que seria o líder do grupo, e encontraram o relógio de um dos clientes da sobaria.
De acordo com o delegado Novelli, foi Ailton quem se encarregou de levar o veículo Fox até o Paraguai e trocá-lo por certa quantidade de droga. O líder é o único que nega participação no crime. A polícia agora tenta identificar o comparsa Neguinho e apurar se os acusados têm envolvimento em outros crimes cometidos na Capital.

Antecedentes
Ainda conforme o responsável pela investigação, Ailton responde pela prática de receptação, enquanto Sílvio tem um mandado de prisão expedido pela comarca do Paraná, em primeiro de maio deste ano, por receptação e formação de quadrilha. Já o suspeito Juliano foi condenado a nove anos de prisão por roubar um mercado em São José do Rio Preto, interior de São Paulo.

Leia Também